Aniversariantes de fevereiro recebem segunda parcela do Auxílio Emergencial 2021

Foto: Agência Brasil Governo Federal inicia o pagamento da segunda parcela do Auxílio Emergencial 2021, nesta terça-feira (18.05), para os aniversariantes de fevereiro que se inscreveram pelos meios digitais e que integram o Cadastro Único. São 2,15 milhões de beneficiados em um repasse de R$ 446,3 milhões. Com a antecipação do calendário de transferências e saques anunciado … Leia Mais



IFFar: 14° Relatório Epidemiológico do Município de Júlio de Castilhos

O Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos (IFFar-JC), por meio do Projeto de Extensão “Monitoramento dos dados da Covid-19 (foto a baixo) no município de Júlio de Castilhos”, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) apresenta os dados sobre a infecção pelo novo coronavírus no município no 14º Relatório Epidemiológico. Este conta com … Leia Mais


Temperaturas baixas e possibilidade de geadas nos próximos dias

A semana entre 13 e 19 de maio permanecerá com temperaturas baixas e possibilidade de geadas no Rio Grande do Sul, de acordo com o Boletim Integrado Agrometeorológico nº 19/2021, divulgado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), em parceria com a Emater-RS e o Irga. Até o sábado (15), a presença do ar seco e … Leia Mais



Empresa castilhense participa da ampliações da Subestação de Nova Santa Rita


A empresa castilhense Instaladora Redin, iniciou na ultima segunda-feira, sua participação nas obras de ampliações da Subestação de Nova Santa Rita, onde será ligada uma linha de transmissão 525 kv.

Situada no município homônimo, no Rio Grande do Sul, a subestação Nova Santa Rita completou no mês de abril, 13 anos de operação. Importante transmissora de energia para a Região Metropolitana de Porto Alegre e o Sistema Interligado Nacional (SIN), a subestação tem potência instalada de 2.688 MVA.

A unidade conta com cinco linhas de transmissão de 500 kV, sendo elas Gravataí, Campos Novos, Itá 1 e 2 e Povo Novo (TSLE), mais outras nove LTs de 230 kV: Camaquã 3, Lajeado 2 (CEEE), Itauba (CEEE), Polo Petroquímico (CEEE), Cidade Industrial 1, 2 e 3 (CEEE), Sharla2 1 e 2 (Iesul). Além disso, ela possui quatro bancos de reatores de 150 MVAr cada. 

A Instaladora Elétrica Redin se originou do sonho e dedicação do proprietário Valdecir Redin, o qual em seu trajeto profissional adquiriu ampla experiência, atuando junto às principais empresas de distribuição de energia elétrica do Rio Grande do Sul. A empresa com sua sede localizada na cidade de Júlio de Castilhos – RS, conta com uma equipe qualificada e equipamentos específicos para a realização dos serviços, apresentando uma crescente expansão na região Sul do Brasil. 

 

 

Fonte dados SE Nova Santa Rita por assessoria de Imprensa | Eletrosul. Edição Alcir61


Estimativa de abril prevê safra recorde de 264,5 milhões de toneladas para 2021, diz IBGE


Foto: Jaelson Lucas/AEN-PR (IBGE)

A safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas deve atingir o recorde de 264,5 milhões de toneladas em 2021, de acordo com a estimativa de abril do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (12) pelo IBGE. Com isso, a produção deve superar em 4,1% a de 2020, que somou 254,1 milhões de toneladas.

Apesar do recorde, a estimativa de abril para a safra de 2021 é 0,2% menor do que a que foi feita em março. Isso representa 409,9 mil toneladas a menos. “É a primeira vez que temos queda na estimativa mensal neste ano. Isso ocorreu porque há três safras no Brasil e houve atraso no plantio da primeira safra, conhecida como safra verão ou ‘das águas’. Isso atrasou a colheita da soja e, consequentemente, o plantio da segunda safra”, explica o gerente da pesquisa, Carlos Barradas.

De acordo com o pesquisador, na segunda safra ou a “safra das secas”, as chuvas são mais restritas. “Essa safra, consequentemente, foi plantada tardiamente. Há uma condição de insegurança climática maior e está faltando chuva. Então o que está caindo é a produção da segunda safra”.

O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos do grupo de grãos, cereais e leguminosas e, somados, representam 92,9% da produção. Outro recorde é esperado na safra da soja, que deve chegar a 131,9 milhões de toneladas. É uma alta de 8,6%, ou 10,4 milhões de toneladas, na comparação com o ano anterior. “Quase toda a produção da soja foi colhida na safra verão. Até faltou um pouco de chuva, mas a partir de dezembro as chuvas voltaram e houve uma boa produtividade”, diz Barradas.

Enquanto se espera uma produção maior da soja, o milho sofre declínios. A estimativa da produção desse grão caiu 0,5% em relação à feita no mês anterior e deve chegar a 102,5 milhões de toneladas. Apesar dos aumentos de 5,6% na área plantada e de 5,9% na área a ser colhida, a safra deve ser 0,7% menor do que no ano anterior.

“Como a colheita da soja atrasou, consequentemente, o plantio da segunda safra do milho também atrasou. É ela que está no campo agora e, como está faltando chuva, as estimativas estão caindo. Só no Paraná, em relação ao mês anterior, houve uma queda na estimativa de produção da segunda safra do milho de 8,6%, o que representa 1,2 milhão de toneladas”, afirma o pesquisador.

Por outro lado, a estimativa da batata-inglesa aumentou 5,7% em relação a março. Considerando as três safras, a produção deve chegar a 3,9 milhões de toneladas. “Há um aumento de 15,1% na primeira safra em relação ao ano anterior. É uma cultura que varia muito com o preço. Se o preço aumenta, os produtores plantam mais. Foi o que aconteceu na primeira safra, que teve uma boa produção”, diz Barradas.

Já o café deve ter sua produção reduzida em 24,3% frente ao ano passado, chegando a 2,8 milhões de toneladas. “No Brasil, há dois tipos de café. Um é o arábica, que representa 75% da safra, e o outro é o canephora ou conillon, que representa 25%. E há no cafeeiro do tipo arábico a bienalidade, ou seja, quando em um ano a produção é muito boa, no ano seguinte ela é menor, devido à exaustão das plantas. No ano passado, tivemos um recorde de produção de café arábica, então esse declínio é esperado, porque é próprio da fisiologia da planta”, explica.

A cana-de-açúcar teve sua produção estimada em 654,7 milhões de toneladas, uma redução de 2,1% em relação à estimativa de março. Já em comparação à produção de 2020, a queda é de 3,4%. Isso representa 23,2 milhões toneladas a menos.

Produção do Centro-Oeste deve cair 0,7% em 2021

Regionalmente, o Sul (11,7%), Sudeste (6,0%), Norte (1,3%) e Nordeste (4,1%) tiveram acréscimos em suas estimativas. A produção do Sul deve chegar a 81,6 milhões de toneladas, o que equivale a 30,9% do total do país e a do Sudeste, 27,3 milhões de toneladas (10,3% do total). O Nordeste deve produzir 23,5 milhões (8,9% do total) e o Norte, 11,1 milhões (4,2% do total). Já o Centro-Oeste deve produzir 120,9 milhões de toneladas em 2021 (45,7%), com a queda de 0,7% em sua estimativa.

Entre as unidades da Federação, o Mato Grosso lidera, com uma participação de 27,2% na produção total do país, seguido pelo Paraná (15,3%), Rio Grande do Sul (13,4%), Goiás (9,8%), Mato Grosso do Sul (8,3%) e Minas Gerais (6,4%), que, somados, representaram 80,4% do total nacional.

Em relação ao mês anterior, as produções de São Paulo (623,6 mil toneladas), Goiás (237,9 mil toneladas), Ceará (116,4 mil toneladas), Bahia (51,2 mil toneladas), Pernambuco (17,4 mil toneladas), Acre (8,8 mil toneladas), Minas Gerais (5,5 mil toneladas), Alagoas (3,1 mil toneladas), Espírito Santo (621 toneladas) e Rio de Janeiro (11 toneladas) tiveram alta na estimativa. Enquanto Paraná (-1,4 milhão de toneladas), Piauí (-13,2 mil toneladas), Amapá (-13,1 mil toneladas), Maranhão (-1,6 mil toneladas) e Rio Grande do Norte (- 1,6 mil toneladas) tiveram queda.

Mais sobre o LSPA

Implantado em novembro de 1972 com o propósito de atender às demandas de usuários por informações estatísticas conjunturais mensais, o LSPA fornece estimativas de área plantada, área colhida, quantidade produzida e rendimento médio de produtos selecionados com base em critérios de importância econômica e social para o país. Ele permite não só o acompanhamento de cada cultura investigada, desde a fase de intenção de plantio até o final da colheita, no ano civil de referência, como também o prognóstico da safra do ano seguinte, para o qual é realizado o levantamento nos meses de outubro, novembro e dezembro. Acesse os dados no Sidra.

 

Fonte Agência de Noticias IBGE


Enfermeiros e técnicos são os profissionais de saúde mais atingidos pela Covid no RS, aponta boletim


 Foto: Silvio Avila/Divulgação

O Dia Internacional da Enfermagem, celebrado nesta quarta-feira (12), marca, pela segunda vez nesta pandemia, dois desafios diários que os enfermeiros do RS enfrentam: como cuidar dos pacientes de uma doença pouco conhecida e, ao mesmo tempo, evitar o contágio do coronavírus.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES), 32.049 profissionais da área da saúde tiveram diagnóstico positivo para a Covid-19. Quase metade deles (15.448 ou 48,2%) eram enfermeiros ou técnicos e auxiliares em enfermagem, aponta o boletim epidemiológico do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) da primeira semana de maio.

O enfermeiro Gustavo Rocha de Conz, da Emergência do Hospital Divina Providência, em Porto Alegre, recorda a confusão de sentimentos de ser, ora profissional, ora paciente, já que também teve a doença.

“A gente teve medo do desconhecido, de como a gente iria se preparar para receber esses pacientes, e um dia fui paciente. Estive internado, tive todas as limitações que todos os pacientes tiveram, de não receber visita, do medo de estar internado e do que poderia acontecer. Quem estava praticamente todo o tempo do meu lado foi a equipe de enfermagem, os médicos, a equipe de assistência”, diz

Elisandra Luise Valadão Alves é enfermeira em uma unidade de isolamento de Capão da Canoa, no Litoral Norte. Para ela, o pior momento foram os 14 dias afastada do trabalho e da família após ser contaminada.

“Tive que ficar longe da minha filha de 4 anos, isolada dos meus familiares e afastada do meu trabalho, na pior época e que precisava muito de mim. Mas a gente escolhe a profissão por amor e, até o fim, vai lutar”, destaca.

Desafios de uma doença nova

Na linha de frente, os enfermeiros precisaram encontrar saídas que nem sempre aprenderam em salas de aula ou quartos de hospitais. Gustavo cita, por exemplo, a adaptação à realidade imposta pela doença infecciosa, que afastou parentes e transformou o contato em impeditivo na recuperação.

“Durante a pandemia, a gente precisou, por vários momentos, tomar decisões difíceis, tomar medidas tecnológicas para acalentar um pouco os corações das famílias com videochamadas, para aproximar o familiar do seu ente querido. E também teve muitos momentos de tristeza, de ir para casa chorando, sabendo que mesmo não tendo êxito a gente estava com a missão cumprida”, afirma.

Enfermeira há 30 anos no Hospital Centenário, em São Leopoldo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, Simone de Souza ressalta o trabalho em outros setores, que também são considerados linha de frente, como o centro obstétrico, e também foram afetados na pandemia.

“Quando a gente fala em Covid, a gente pensa no adulto, de forma muito generalizada, e pouco enfoca nas mulheres que buscam atendimento para seus filhos, e muitas já tiveram Covid. O que era para ser um momento de alegria, de felicidade, uma ansiedade, um nervosismo muito grande, porque não sabe até que ponto o bebê pode ter uma complicação. E essa ansiedade não é gerada só nessa família, mas também nos funcionários. Estamos preparados, fomos capacitados, mas a gente sabe que é uma doença nova”, afirma.

Por outro lado, os trabalhadores da saúde também lideram entre os grupos que receberam a vacina. Até esta terça (11), 437,6 mil profissionais receberam ao menos uma dose dos imunizantes, e 293,5 mil deles completaram a imunização, muitos dos quais são enfermeiros ou técnicos.

O mínimo diante das privações e provações que os soldados da linha de frente enfrentam diariamente.

“A única coisa que a enfermagem tinha em mente é que, mesmo não conhecendo o inimigo, tendo poucas informações, ia ter que vestir as armaduras e lutar. Foi o que a gente fez e é o que a gente está fazendo até hoje”, ressalta a enfermeira Flávia Fernandes Corrêa, do Hospital de Pronto-Socorro de Canoas

Fonte por:  G1 RS e RBS TV


IFFar: Inscrições para seleção simplificada das Graduações vão até 17 de maio


O IFFar abriu inscrições para o Processo Seletivo Simplificado para preenchimento de vagas remanescentes dos Cursos Superiores de Graduação nesta sexta-feira (7). As inscrições, assim como os cursos, são 100% gratuitos e vão até 17 de maio.

Podem participar da seleção candidatos que fizeram alguma edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou que já possuam um diploma de Curso Superior de Graduação.

As inscrições são feitas entre 7 e 17 de maio através do preenchimento de um formulário online e envio de documentos. Para isso, é necessário ter uma conta no Google, que é gratuita.

Os documentos necessários e as instruções para a realização da inscrição estão disponíveis no Edital nº 142/2021, que rege o processo.

A relação de candidatos classificados em 1ª chamada será divulgada no dia 21 de maio.

Cursos com vagas disponíveis

*Todos os cursos são oferecidos no turno da noite.

Campus Alegrete

  • Tecnologia em Agroindústria

  • Tecnologia em Anáise e Desenvolvimento de Sistemas

  • Tecnologia em Produção de Grãos

  • Licenciatura em Matemática

  • Licenciatura em Química

Campus Frederico Westphalen

  • Licenciatura em Matemática

Campus Jaguari

  • Tecnologia em Sistemas Elétricos

Campus Júlio de Castilhos

  • Licenciatura em Ciências Biológicas

  • Licenciatura em Matemática

Campus Panambi

  • Tecnologia em Processos Químicos

  • Tecnologia em Sistemas para Internet

  • Licenciatura em Química

Campus Santa Rosa

  • Tecnologia em Alimentos

  • Licenciatura em Ciências Biológicas

Campus Santo Ângelo

  • Tecnologia em Gestão do Agronegócio

  • Tecnologia em Sistemas para Internet

  • Licenciatura em Computação

Campus Santo Augusto

  • Tecnologia em Alimentos

  • Tecnologia em Gestão do Agronegócio

  • Licenciatura em Ciências Biológicas

  • Licenciatura em Computação

Campus São Borja

  • Tecnologia em Gestão do Turismo

  • Licenciatura em Física

  • Licenciatura em Matemática

Campus São Vicente do Sul

  • Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

  • Licenciatura em Ciências Biológicas

  • Licenciatura em Química

Fonte por Assessoria de Comunicação IFFar

 


Frente fria chega ao estado nesta segunda e muda o tempo


A semana começa com avanço de uma frente fria pelo sul do Brasil. Vai mudar o tempo em todo o Rio Grande do Sul provocando chuva no estado.

Na segunda-feira (10), o ingresso de ar quente e úmido provocará maior variação de nuvens e poderão ocorrer pancadas de chuva na Campanha e Zona Sul. Na terça (11) e quarta-feira (12), o deslocamento de uma frente fria vai provocar chuva em todas as regiões, com possibilidade de temporais isolados. Os totais previstos deverão oscilar entre 20 e 45 mm na maioria das regiões. Já no Extremo Sul, Planalto e nos Campos de Cima da Serra, os volumes podem variar entre 50 e 65 mm.

Veja como será o inicio da semana em Júlio de Castilhos na região central do Rio Grande do Sul.

Segunda-feira (10), iniciou o dia com sol e prossegue com aumento de nuvens de manhã. Previsto pancadas de chuva à tarde. À noite o tempo fica aberto. Temperatura máxima na casa dos 19º nesta segunda

A terça-feira (11), será chuvoso durante o dia e à noite, temperatura minima de 10º e maxima de 16º.

A quarta-feira (12), Júlio de Castilhos terá sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de céu nublado. Noite com muitas nuvens. Frio marcará o dia com minima de 6º e maxima de 14º.

A quinta-feira , Júlio de Castilhos terá o dia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde. Vem mais frio com amanhecer de 3º e maxima de 16º.

 

.