R$ 110 mil em projetos sociais do RS e CVI. Para J.Castilhos a APAE



Parceria com empresa de refrigerantes garante R$ 110 mil para projetos sociais no RS. 

“Esse dinheiro está salvando a próxima geração do nosso projeto”, agradeceu a coordenadora da Associação Amigos do Santa Maria Judô, Aglaia Pavani, com a voz embargada. O recurso ao qual ela se referiu foi garantido na tarde desta sexta-feira (11), em Santa Maria, com a renovação do contrato entre o governo do Estado, entidades sociais e a empresa CVI Social, do Grupo Coca-Cola.

No total, 11 organizações de Santa Maria e da Região Central do Rio Grande do Sul receberam R$ 110 mil para investir em iniciativas sociais, como a de Aglaia Pavani. Ela é técnica de judô da entidade que atende, de forma voluntária, a 684 atletas entre quatro e 63 anos de idade. Se não fosse a verba da Lei da Solidariedade, esse trabalho estaria comprometido.

O governador José Ivo Sartori e a secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, participaram da cerimônia de renovação de contrato. “Nós podemos fazer muito mais quando trabalhamos coletivamente. A Lei da Solidariedade é um exemplo disso. Já foram cerca de 900 projetos realizados, beneficiando mais de 170 mil pessoas. São números importantes”, destacou Sartori.

Maria Helena agradeceu à CVI Social – a empresa que há mais tempo participa da Lei da Solidariedade. “Em nome das milhares de pessoas que receberam algum tipo de ajuda nesses 15 anos de parceria, muito obrigada. Imagina se mais empresas fizessem isso”, disse.

O diretor-presidente da CVI Social, Emerson Vontobel, ressaltou que, em 2018, o valor investido vai ser maior. “Vamos financiar R$ 300 mil, mais a nossa  contrapartida”, informou.

A Lei da Solidariedade já auxiliou 900 projetos e mais de 170 mil pessoas / Karine Viana/Palácio Piratini

Lei da Solidariedade

A Lei da Solidariedade, criada em 2002, une forças para ajudar as pessoas que mais precisam. Funciona assim: a entidade elabora um projeto e coloca ação em prática. A empresa financia, em troca de renúncia fiscal do ICMS. A isenção equivale a 100% do valor do projeto. Por sua vez, o governo do Estado concede o benefício, desde que a empresa entre com uma contrapartida de mais 25%.

Confira as entidades beneficiadas:

– ACDV – Associação de Cegos e Deficientes Visuais (R$ 10.000,00)
– Obra Social Nossa Senhora do Trabalho (R$ 9.918,64)
– Abrigo Espírita Oscar José Pithan (R$ 10.000,00)
– CACC – Centro de Apoio à Criança com Câncer (R$ 9.951,20)
– Associação Santamariense de Auxílio aos Necessitados (R$ 10.000,00)
– SBPAC – Sociedade Beneficente de Proteção e Amparo à Criança (R$ 10.000,00)
– Associação Riograndense Equoterapia e Equilíbrio (R$ 10.000,00)
– Bandeira Social – OSCIP (R$ 10.000,00)
– Associação Colibri (R$ 10.000,00)
– Associação Amigos do Santa Maria Judô (R$ 10.000,00)
– APAE Júlio de Castilhos (R$ 10.000,00)

Texto: Vanessa Felippe/Ascom SDSTJDH foto / Karine Viana/Palácio Piratini