O INSS começa a pagar no dia 26 deste mês a segunda parcela do 13º salário para os aposentados e pensionistas


Os aposentados, pensionistas e demais beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) receberão a segunda parcela do 13º salário a partir do dia 26 deste mês. Os depósitos do abono de Natal seguem o calendário de pagamento dos benefícios e prosseguem até o dia 7 de dezembro.

A primeira parte foi paga entre o fim do mês de agosto e o início de setembro. Na primeira parcela, quem já era aposentado ou pensionista em janeiro deste ano recebeu exatamente metade do valor do seu benefício.

Portanto, o valor final do pagamento feito a partir deste mês será o benefício menos o Imposto de Renda, se houver, e o que já foi pago pelo INSS na primeira parcela.

Pente-fino

O INSS cortou o auxílio-doença de oito em cada dez trabalhadores que passaram por uma perícia de revisão no pente-fino. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, desde agosto de 2016 foram realizadas 1.124.789 exames periciais no País.

De 464.429 trabalhadores com auxílios-doença que passaram por uma nova análise médica, 359.553 (77,42%) foram cortados. No caso das aposentadorias por invalidez, os cortes são menos frequentes.

De 679.503 aposentados avaliados, 192.571 ficaram sem a renda (28,34%). Também foram cancelados 73.722 benefícios de pessoas que foram convocadas, mas não compareceram à perícia. Há ainda 60.378 casos – 27.997 auxílios e 32.381 aposentadorias – de cortes por outros motivos, como morte do segurado e decisões judiciais que encerravam o pagamento.

Economia

O processo de revisão dos benefícios de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez do INSS já é responsável por uma economia de R$ 13,8 bilhões. São recursos que estavam sendo pagos para pessoas que já estavam aptas para o trabalho, mas continuavam recebendo indevidamente os benefícios por incapacidade.

Aperfeiçoamento

O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, destaca que o objetivo é destinar os recursos do Fundo da Previdência para quem realmente precisa. “É importante ressaltar que, a partir do ano que vem, a economia se mantém. Serão mais R$ 7 bilhões por ano que deixarão de ser pagos indevidamente às pessoas que estavam no auxílio-doença e que já tinham recuperado a capacidade de trabalho. Essa medida é uma grande inovação e um aperfeiçoamento na governança dos benefícios previdenciários. São recursos extremamente importantes e viabilizaram a adoção de novas e melhores políticas sociais pelo governo brasileiro.”

Das mais de 1,1 milhão perícias realizadas, mais de 900 mil foram feitas de março a outubro deste ano. A agilidade no pente-fino do INSS só foi possível porque 96% dos médicos peritos do órgão aderiram ao Programa de Gestão das Atividades Médico Periciais, que avalia a produtividade e não o número de horas trabalhadas.

Segundo Alberto Beltrame, a expectativa é de que o processo seja finalizado até dezembro. “Estamos deixando de legado ao próximo governo um sistema de benefícios previdenciários limpo de fraudes e de pagamentos indevidos, com uma economia muito significativa”, garantiu Beltrame.

Fonte texto Jornal O Sul foto reprodução redes sociais (Divulgação)