Culinária: Risoto À Moda Gaúcha


  1.  Risoto À Moda Gaúcha

  2. Para a elaboração da receita, é possível utilizar sobras de churrasco.

    Um prato para gaúcho nenhum botar defeito, o risoto de costela com aipim reúne ingredientes tradicionais da culinária do Rio Grande do Sul. É uma versão mais requintada do arroz com costela. Para a elaboração da receita, é possível utilizar sobras de churrasco. O risoto pode ser servido também com um toque de queijo ralado.

    Risoto de costela com aipim
    Porções: 4

    Ingredientes:

    1/2 ripa de costela
    400g de arroz arbóreo
    150g de aipim em cubos
    2 dentes de alho picados
    1/2 cebola picada
    folhas de manjericão
    500ml de caldo de costela ou de carne
    sal e pimenta
    2 tomates sem pele e sem sementes picados
    1 colher (sopa) de manteiga gelada em cubinhos

    Modo de preparo:

    1. Asse a ripa de costela previamente até que fique bem macia.

    2. Separe a carne dos ossos e retire o excesso de gordura. Reserve

    3. Refogue o alho picado até dourar.

    4. Em seguida, acrescente a cebola e refogue.

    5. Quando ficar transparente, acrescente o arroz arbóreo e o aipim picado e refogue.

    6. Adicione aos poucos o caldo de costela ou de carne bem quente, sem parar de mexer.

    7. Repita o processo até que o arroz fique al dente e ao mesmo tempo cremoso.

    8. Junte a costela em cubos e o tomate picado e deixe cozinhar mais um pouco.

    9. Finalize com manjericão picado e a manteiga em cubos.

    10. Mexa e tampe a panela, deixando descansar por 2min antes de servir.

    Fonte Receita> Portal GZH Imagem Freepik

     

  3. 12 dicas para fazer o churrasco perfeito

Freepck

12 dicas para fazer o churrasco perfeito

1: Não é recomendado utilizar álcool líquido para acender o carvão, pois ele produz uma chama brusca e temporária. Observe também a quantidade de carvão utilizada, em demasia. O ideal é colocar todo o conteúdo do saco em um canto da churrasqueira, deixando apenas uma pequena parte sob o espeto ou grelha. Vá trazendo, aos poucos, mais carvão ao centro quando necessário

2: Na hora de salgar, não faça uma cama de sal grosso: isso fará com que a carne se desidrate e perca seu sabor.

3: Compre as carnes em um açougue de confiança. Uma picanha, por exemplo, dificilmente possui mais de 1,1 kg. Se a peça vendida é mais pesada do que isso, provavelmente traz uma parte de coxão duro.

4: Não exagere no sal. Se puder, use sal grosso em pedras maiores para pedaços grandes e sal grosso em pedacinhos menores para peças menores. Você pode moê-lo no liquidificador, por exemplo. Dica: em um prato, coloque um punhado de sal e acomode a carne, jogando mais um punhado de sal sobre ela. Deixe-a próxima ao calor da brasa por uns quatro minutos. Antes de grelhá-la ou assá-la, elimine o excesso com as mãos.

5: O mais recomendado é usar uma churrasqueira de alvenaria, com lados, fundo e parte inferior fechados, o que ajuda a armazenar o calor e produzir um churrasco de qualidade.

6: Grelhar ou assar? Se ficar a 15 cm da brasa, a carne será selada ou grelhada. Essa é altura ideal para peças menores. Para assar, use as alturas de 40 cm para pedaços médios e 60 cm, para grandes.

7: Os convidados chegaram? Comece assando a costela suína, acomodando-a a 40 cm da brasa e no fundo da grelha, onde o calor é mais intenso. Essa também a hora de assar as linguiças (na mesma altura mencionada). Atenção: nunca fure-as com um garfo, pois elas perderão líquido e, consequentemente, ficarão secas, sem suculência.

8:Vire as carnes apenas uma vez. Espere que o sangue comece a aparecer em maior quantidade na parte superior e, então, inverta o lado com a ajuda de um pegador. Evite furar a peça.

Frepck

9: Coloque-os com a parte do contrafilé, a menos macia, voltada para o fundo.

10: Gosta de filé mignon? Ele é bom, sim, para churrascos, mas precisa de um cuidado diferenciado. Essa carne, mais sensível, precisa de um calor forte. Coloque a mão a 15 cm da brasa e tente contar até quatro. Essa é a intensidade recomendada para esse corte (para todos os outros tipos de carne, o ideal é fazer o mesmo procedimento, mas a contagem deve ser até cinco).

Freepck

11: Não tente fazer um corte alto bem passado. Prefira cortes finos.

12: Churrasqueira não é lixo! Nunca jogue resto de comida, palito de dente ou bituca de cigarro junto ao carvão.

Freepck

  1. Créditos e fotos Por Revista Sabores do Sul

 

GALETO AO PRIMO CANTO

O Galeto ao Primo Canto é um prato tradicional da culinária gaúcha. Chega a ser considerado um dos três principais prato do Rio Grande do Sul, juntamente com o arroz de carreteiro e o churrasco. O prato teve origem na região de Caxias do Sul e sua receita provem da Itália. O primeiro restaurante a comercializar este prato foi a Galeteria Peccini, fundada em fevereiro de 1931 em função da primeira Festa da Uva. Desde então, diversos restaurantes, denominados de galeterias obtiveram êxito e se espalharam pelo estado do Rio Grande do Sul. O frango jovem (aproximadamente 25 dias) é assado sobre a brasa e comumente servido em uma farta mesa com polenta frita, salada de radiche e espaguete. Acredita-se que a origem deste prato remonta aos hábitos alimentares do colonizadores, que costumavam preparar passarinhadas nos dias de festa. Com a proibição da caça aos passarinhos, o galeto foi adotado. 

INGREDIENTES:
06 galetos 

01 garrafa de vinho branco seco

01 garrafa de cerveja

01 taça de vinagre de maça

 04 cebolas médias cortadas em rodelas

 01 pimentão verde cortado em tiras

 05 tomates cortados em rodelas

 05 dentes de alhos (só cortados)

01 maço de cheiro verde (cebolinha, salsa, manjerona, sálvia, tomilho e alecrim)

 bacon e sal a gosto.

MODO DE PREPARO
De véspera, limpe os galetos, corte-os ao meio ou pelas juntas e coloque-os em uma tigela com todos os ingredientes. Caso o líquido do vinho, cerveja e vinagre não der para cobrí-los, complete com água para que fiquem embebecidos no liquido. Cubra com papel-alumínio e deixe na geladeira, para tomar gosto.
No dia seguinte, ascenda a churrasqueira ou a grelha. A opção pela churrasqueira pode ser utilizado os galetos cortados ao meio ou pela junta e de preferência, entre os cortados pela junta, espetar entre eles uma fatia de bacon. Quem optar pela grelha, a melhor pedida é usar somente os galetos cortados pelo meio porque o outro resseca.

Foto: Freepik

Muito além da cozinha oriental: versátil e saboroso, Sake combina com diferentes tipos de gastronomia

De acordo com especialistas e registros, a história do sake começou há aproximadamente sete mil anos, mas se popularizou de fato no Japão e se tornou a bebida que carrega o DNA japonês no nosso país. O fermentado de arroz acabou conquistando outros países graças a sua versatilidade, leveza e sabor. Produzido a partir de três ingredientes principais – água, arroz, e um micro-organismo chamado koji – o sake costuma ser bastante associado ao universo gastronômico típico oriental, porém, ele pode ser harmonizado com pratos de diferentes países.

“Apreciar um sake acompanhado de um prato acaba sendo uma experiência gastronômica bastante interessante, pois dependendo da refeição, é possível ressaltar o aroma e as características da bebida e o sabor da refeição”, explica Ricardo Augusto, especialista em sake da Azuma.

Existem diferentes tipos de sake que combinam com diferentes pratos da gastronomia. Se a ideia for apreciar uma salada ou uma carne branca grelhada, o nosso Sake Azuma Guinjo é uma boa escolha para harmonizar com pratos mais leves. O Guinjo é um sake premium de sabor frutado e marcante. “Temos um sake premium quando o nível de polimento do grão é de no mínimo 40%, o que torna a bebida mais sofisticada e permite que ela possa ser consumida pura, gelada ou em temperatura ambiente”, ressalta Augusto.

Mas, se a ideia for apreciar um prato mais elaborado como a feijoada, a indicação é a clássica sakerinha. O drink nada mais é que uma versão da tradicional caipirinha, porém, ao invés de ser produzido com cachaça, é feito com sake. “Para preparar a sakerinha, o ideal é o Sake Azuma Dourado, que combina inclusive com outras bases alcoólicas e não alcoólicas para explorar esse universo do drink fácil e prático” pontua o especialista.

Outra combinação que muitos podem achar inusitada, mas que é possível, é harmonizar sake com pratos mexicanos. Nesse caso, a harmonização pode ser feita com um Sake saborizado, que é uma novidade no mercado brasileiro lançada pela Azuma, a linha Mix & Match. Esse sake é aromatizado naturalmente e traz uma combinação incrível em três sabores: Tangerina com Pimenta Rosa, Mel com notas de baunilha e Chá Branco com Yuzu que podem ser apreciados acompanhados de tacos e burritos.

E a harmonização de sake não fica restrita apenas a pratos salgados. “É possível apreciar o fermentado de arroz inclusive na preparação de sobremesas, como pudim e até brigadeiro! No instagram da Azuma tem muita novidade e conteúdo para que vocês possam se inspirar!”  finaliza Augusto.

Sobre a Azuma Sake

Azuma é líder no segmento de sakes no mercado brasileiro, sua primeira fábrica foi fundada em 1934, se tornando pioneira e referência na categoria. Ao longo de quase 90 anos de atuação, a empresa ganhou reconhecimento e investe em inovação, insumos de qualidade, além de todo o processo de criação, produção e logística, oferecendo produtos de qualidade e sabor inigualável.

Sitehttps://www.kikkoman.com.br/azumasake/

Imprensa Notícia Expressa

Miriam Lago

Mês do Sake é comemorado em outubro: descubra como preparar três drinks com a bebida

Uma bebida que carrega o DNA do Japão e que acabou conquistando o mundo todo graças a sua versatilidade, leveza e sabor único. Estamos falando do sake, bebida alcoólica fermentada a base de arroz que carrega em sua essência características únicas. O mês do sake é comemorado em outubro. 

O sake é versátil, combina com frutas, sucos, chás, ervas aromáticas, gelado ou aquecido, enfim, são infinitas as combinações que se adaptam a diferentes ocasiões. É uma bebida leve, que pode ser apreciada sem pressa e que traz consigo o conceito de consumo responsável e consciente, tão importantes nos dias atuais.

Para quem quer aproveitar o mês da bebida para saborear um drink com sake, a Azuma explica o passo a passo de algumas receitas, confira:

Sakerinha Caju & Siciliano

 

Ingredientes

50ml de Sake Azuma Mix & Match Chá Branco com Yuzu

4 pedaços de caju

2 pedaços de limão-siciliano

25ml de xarope de açúcar ou duas colheres (bailarina) de açúcar

Tampa do caju com a castanha para decorar

Modo de preparo

Em um copo longo, coloque o caju, o limão-siciliano e o açúcar. Amasse os ingredientes, complete o copo com gelo e adicione o Sake Azuma Mix & Match Chá Branco com Yuzu. Misture bem com uma colher. Finalize decorando com a tampa do caju com a castanha.

Straw & Tonic

Ingredientes

50ml de sake Azuma Mix & Match Mel com Notas de Baunilha

20ml de licor triple sec

4 morangos

10ml de xarope de açúcar ou 1 colher (bailarina) de açúcar

Água tônica

1 rodela de laranja desidratada para decorar

Modo de preparo

Em uma coqueteleira, adicione o morango e amasse junto ao xarope de açúcar.

Em seguida, coloque gelo, o Sake Azuma Mix & Match Mel com Notas de Baunilha e o licor triple sec, e agite. Coe e sirva em uma taça com gelo, complete com água tônica e mexa suavemente com uma colher. Use uma rodela de laranja desidratada para decorar a taça.

Vanilla & Peach

Ingredientes

50ml de Sake Azuma Mix & Match Mel com notas de baunilha

Energético sabor morango e pêssego

Ramo de alecrim para decorar

Modo de preparo

Em um copo longo com bastante gelo, adicione os ingredientes sequencialmente, o Sake Azuma Mix & Match Mel com Notas de Baunilha e o energético de morango e pêssego. Misture suavemente com uma colher. Para finalizar, decore e aromatize com um ramo de alecrim.

 Sobre a Azuma

A Azuma é líder no segmento de sakes no mercado brasileiro, sua primeira fábrica foi fundada em 1934, tornando-se pioneira e referência na categoria. Ao longo de quase 90 anos de atuação, a empresa ganhou reconhecimento e investe em inovação, insumos de qualidade, além de todo o processo de criação, produção e logística, oferecendo produtos de qualidade e sabor inigualável.

Site: https://www.kikkoman.com.br/azumasake/

 

Imprensa com fotos por Notícia Expressa

Miriam Lago

Paelha Gaúcha:

Gastronomia gaúcha se destaca no mercado de franquias

A X-Gauchão é pioneira em trazer o famoso “xis gaúcho” para o mercado de franquias. Com objetivo de popularizar a tradicional culinária da região, a franquia apresenta três modelos de negócio para atrair clientes que desejam consumir os lanches em casa (por pedido de delivery) ou consumir no local.

O xis gaúcho é um sanduíche que costuma levar carne, queijo, alface, tomate, milho, ervilha e maionese, prensado na chapa em um pão maior que o de um hambúrguer convencional. Além dos lanches tradicionais a X-Gauchão oferece: torres de batata frita, hot dogs, porções de petiscos e opção de lanches vegetarianos. Hoje, o consumo de hambúrgueres ultrapassa a pizza em pedidos por aplicativos.

Com uma média de consumo semanal de mais de 174 mil hambúrgueres, o que dá praticamente 25 mil unidades do produto consumidas por dia no país. o prato está realmente integrado aos hábitos nacionais

Como tudo começou?

Fundado por Fernando Castro em 2017, o X Gauchão nasceu com o compromisso de resgatar a tradição do Sul, oferecendo hambúrgueres autênticos e lanches Premium, cativando públicos diversos com sua identidade única e apresentação surpreendente. É uma história de amor pela carne e pela cultura, onde cada mordida é uma celebração.

A franquia procura pessoas que tenham o sonho da independência financeira, levando a culinária gaúcha por todo território nacional.

Com uma média de consumo semanal de mais de 174 mil hambúrgueres, o que dá praticamente 25 mil unidades do produto consumidas por dia no país. o prato está realmente integrado aos hábitos nacionais

Quando Pensamos Na Cozinha Gaúcha, Lembramos,  Rapidamente, De Um Bom Churrasco E  Carreteiro. Porém, Os Pratos Do Folclore Sulista São Bem Variados: Podem Ser Focados Na Carne Bovina, Como Os Próprios Churrasco E Carreteiro, Mas Também Em Ovelha, Frango, Peixe Ou, Até Mesmo, Pratos Feitos Por Gaúchos Caçadores Que Envolvem Perdizes, Patos E Animais De Médio Porte, Como Cutia. A Carne Está Sempre Representando!

 Paella Gaúcha

Ingredientes:

250g de pernil de porco em cubos
250g de coxão em cubos
250g de lingüiça calabresa em rodelas
3 tomates em rodelas
1 pimentão verde picadinho
1 pimentão amarelo picadinho
1 pimentão vermelho picadinho
2 cebolas em rodelas
2 dentes de alho picados
3 colheres (sopa) de extrato de tomate
2 tabletes de caldo de costela
sal e pimenta do reino a gosto
3 xícaras de arroz branco cozido
salsinha e cebolinha picada

Preparo:

Fritar todas as carnes separadamente, em seguida colocar a cebola o alho e o extrato de tomate para refogar um pouco. Colocar o arroz e aqueça juntamente com todas as carnes. Quando o arroz estiver quente colocar as rodelas de tomates e os pimentões e a salsinha e a cebolinha para finalizar o prato.

Pronto, uma paella com sabor gaudério! Bom apetite!

Vaca Atolada

1 kg de costela de vaca, cortada em pedaços pequenos (costela gaúcha)

  • 2 cebolas médias picadas
  • 2 folhas de louro
  • 2 colheres (sopa) de óleo
  • 2 1/2 litros de água quente
  • 3 colheres (sopa) de aguardente
  • 4 dentes de alho amassados
  • 5 tomates sem sementes picados
  • 6 colheres (sopa) de cheiro-verde picado
  • 700 g de mandioca descascada, cortada em cubos (já cozida)
  • Pimenta dedo-de-moça picada a gosto
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto (ou tempero pronto)
  • Modo de preparo
  1. Numa panela (de preferência, de ferro) com óleo, frite a costela de vaca, cortada em
  2. pedaços pequenos, até dourar (mais ou menos 10 min).
  3. Junte as cebolas, os dentes de alho e refogue.
  4. Tempere com sal e pimenta-do-reino a gosto.
  5. Coloque os tomates, o cheiro-verde picado, a aguardente, a pimenta dedo-de-moça picada a gosto, as folhas de louro e a água quente.
  6. Deixe cozinhar por 50 min na pressão, em fogo médio (se necessário, adicione mais água durante o cozimento).
  7. Quando a costela estiver cozida, coloque a mandioca descascada cortada em cubos (já cozida).
  8. Deixe cozinhar por cerca de 25 minutinhos ou até ficar cremoso (as costelas devem ficar “atoladas”).
  9. Acerte o sal, se preciso.

MATAMBRE RECHEADA

Mais uma delicia aqui dos pampas, quem nunca provou a hora é agora, aproveita bagual.

INGREDIENTES

  • 1 kg de matambre

  • 2 linguiças tipo calabresa fininha

  • 4 Ovos cozidos

  • 2 tomates

  • 2 Cebolas

  • 1 Cenoura

  • 2 Dentes de alho

  • 1 molho tempero verde

  • Sal e pimenta para temperar

  • Barbante

PREPARO: 
   Para começo de prosa, espiche o matambre na mesa,tempere ele, passando sal esmagado com o alho, por ambos os lados ,coloque a calabresa inteira, a seguir  a cenoura cozida, inteira tambem, a seguir os ovos cozidos inteiros, colocando eles lado a lado com a linguiça. Depois coloque por cima os tomates picados e a cebola ralada, por último o tempero verde picado . Agora e só enrolar como se fosse o tal do rocambole, e amarrar com barbante dando varias voltas nele. A seguir enrole em papel aluminio e deixe no forno, ou churrasqueira durante 2 horas. Após retirar o papel, é só dar uma dourada e vamo pros talher, até a próxima.

O:

COSTELA NA PANELA

Bah…pra mim a costela é a melhor parte o boi pra churrasco, mas na panela é que ela se mostra uma carne de respeito, maciez, aspectos, aroma e principalmente… O SABOR!!!!
Então aí vai uma costela na panela bem fácil:
Ingredientes:
– 1 kg costela
– 1/2 kg batata inglesa
– Sal a gosto
– Óleo
– 3 dentes de alho
– 1 colher de sopa de açúcar
– Água
Modo de preparo:
Na panela de pressão coloque o acúcar para queimar, depois acrescente óleo até preencher fundo da panela e coloque em seguida a costela cortada em pedaços (a cada osso), já joga pra dentro o sal e o alho picado e água até por mais da metade da carne.
Deixar no fogo por 20 minutos depois que a panela pega pressão.
Tire a pressão e acrescente as batata cortadas em rodelas graudas, grandes.
Deixe ferver por mais 10 minutos na pressão, caso ainda tenha muita água, deixe ferver um pouco com a tampa aberta pra secar.
Faça uma salada e um arroz e…

Vá enche o bucho!!!!

Puchero

 Puchero é aquele tipo de prato que hoje as pessoas chamam de “confort food”. Prefiro chamar de comida mamãe. Comida de casa. Ou qualquer coisa do gênero. É aquele tipo de prato que restaura as energias, que acalma os corações e que alimenta a alma. Você se sente cuidado por um puchero, aninhado. Todo mundo devia comer um puchero quando leva um pé na bunda, quando briga com alguém, está de mal com a vida… ou quando está aquele friozinho gostoso num domingo chuvoso, e você tem tempo de preparar uma refeião com carinho.

Sim, tempo. Pois como todas as receitas de “antigamente”, ela demora. Mas isso é que faz com que seja ainda mais charmoso. Adoro esse tipo de comida que você prepara de um dia para o outro. 

Mas vamos deixar de conversa e vamos para a receita.

Ah sim. Puchero é igual mãe. Cada um tem o seu. Ou seja, não quero ninguém dando pitaco na minha receita, pois foi assim que eu aprendi, que eu comi, e que eu vou continuar fazendo! rsss…

Ingredientes:
– 2 abobrinhas médias cortadas em cubinhos 
– 2 cenouras médias cortadas em rodelas
– 4 tomates cortados em cubinhos
– 1 linguiça defumada grande cortada em rodalas fininhas
– 2 cebolas grandes cortadas em meia lua
– alho à gosto… eu gosto de muito, então, coloco uns 6 dentes
– alecrim, louro, páprica picante, sal, pimenta do reino
– 400g de músculo cortado em cubos grandes
– 4 batatas médias ou 3 batatas bem fornidas, cortadas em cubinhos
– 150g de ervilha bolinha
– azeite
– 400g de grão de  já de molho durante a noite ou pré-cozido. 

Modo de Preparo:


1. Refogue o alho e a cebola em azeite, fogo baixo. Até murchar. Foto 1. 

2. Acrescente a linguiça e a carne cortadinhas para selar. Pode deixar bem queimadinho, pois é esse caramelado da carne que vai fazer tooooda a diferença no gosto final do seu puchero. É quem nem paella: tem que deixar queimar um pouquinho pra ficar gostoso. Foto 3. 
3. Depois das carnes bem refogadas, acrescente o tomate. Espere ele refogar e soltar líquido. Esse líquido vai desprender o “queimadinho” da carne no fundo da panela e formar um caldo vermelho e suculento. Coloque um tico de páprica picante, sal, pimenta, alexcrim e folhas de louro. Foto 4.
4. Acrescente o grão de bico. Pelamordedeus, não coloque o grão de bico seco ou sem cozinhar antes. Senão você vai esperar 15 horas pra ver seu puchero terminado. Deixe ele de molho na água durante uma noite inteira ou então deixe ele cozinhando em panela de pressão durante meia hora. Foto 5.
5. Acrescente água até cobrir todos os ingredientes. Foto 6.
6. Deixe cozinhar até o grão de bico ficar “meio” cozido, mas ainda durinho.
7. Acrescente os legumes. Foto 7.
8. Acrescente mais água e vá acrescentando durante todo o cozimento. Fogo baixo e panela quase tampada, até que o grão de bico fique macio e os legumes quase “esfarelem” na panela. O caldo do puchero vai ficar grosso, guloso, saboroso e levanta até defunto.
9. Ajuste o sal, a pimenta… e pronto!

Receita por Blog da Lis 

COZIDO OU SOQUE

Ingrediente:

1/2 xícara de azeite

1 quilos de carne de vaca (ponta de peito ou fraldinha).

3 cebolas grandes

4 dentes de alho

6 espigas de milho verde partidas ao meio

3 batatas doces médias

6 batatas

1/2 kg de abóbora

1/2 repolho pequeno

3 tomates

3 mandiocas

3 cenouras médias com as cascas raspadas

Cheiro verde, Sal e Molho de pimenta a gosto

Farinha de mandioca

Preparo:

Tempere a carne de vaca com sal, alho, pimenta e reserve.Coloque para cozinhar a carne em bastante água.Deixe água fervente sempre pronta para ir acrescentando, se precisar.Quando a carne estiver quase macia, acrescente as cebolas picadas e os tomates picados. Junte os pedaços de mandioca, o milho verde, as cenouras, as batatas doce.Cozinhe mais um pouco uns 10 minutos e junte a batata.Junte a abóbora, as folhas de couve. Verifique o sal e pimenta.Com tudo bem cozido, vá tirando com cuidado com uma escumadeira para uma travessa, deixando separadas por legumes.Pique as carnes e deixe separados como os legumes na travessa para facilitar na hora de servir.Engrosse o caldo com farinha de mandioca, faça um pirão. Adicione a farinha aos poucos para não encaroçar.Sirva o pirão em travessa separada e acrescente por cima, o cheiro verde picado.Não esqueça de um bom molho de pimenta à parte. Sirva como acompanhamento arroz brancoReceita por Blog Culinária Gaúcha

Outono: descubra quais são as cervejas mais indicadas para esse período do ano e como harmonizar com pratos típicos dessa estação

O período é marcado pela queda das folhas das árvores por conta do aumento de ventos, diminuição do tempo de luz solar e a queda das temperaturas

O mormaço e o calor típico do verão estão diminuindo, e os dias com climas mais amenos e noites mais longas se tornam cada vez mais comuns no Brasil durante o período de março até junho. Isso acontece por conta da chegada do outono, estação que sucede o verão e antecede o inverno. O período é marcado pela queda das folhas das árvores por conta do aumento de ventos, diminuição do tempo de luz solar e a queda das temperaturas. Como toda estação do ano, além das características típicas de cada período, hábitos acabam sofrendo modificações, ou seja, se as pessoas preferem curtir uma praia e saborear pratos mais leves no verão, no outono elas acabam recorrendo a programas mais caseiros e refeições mais elaboradas.

Porém, algumas opções gastronômicas são versáteis e podem ser apreciadas em diferentes estações, como é o caso da cerveja. A bebida, cujo consumo registrou crescimento de 8% no ano passado e atingiu o volume de quase 16 bilhões de litros, de acordo com os dados da Euromonitor International, é um ótimo exemplo de que é possível saborear o mesmo produto em diferentes períodos.

“O outono é uma estação que fica no meio-termo, ou seja, não é tão quente quanto o verão e não é tão frio como o inverno, então vários estilos de cerveja combinam com esse período do ano”, afirma Alexandre Vaz, mestre cervejeiro da cervejaria Ashby. Por ser uma estação com noites mais frias, uma opção para curtir esse momento do dia é uma cerveja Strong Ale. Encorpada, aromática e de cor acobreada, ela apresenta notas de caramelo e amêndoas, além de aroma de frutas secas e nozes.

“Por ser uma cerveja forte, ela harmoniza justamente com pratos fortes. Se for uma noite com temperaturas bem baixas, um fondue de queijo combina com uma cerveja Strong Ale. Para quem ama carne, qualquer carne de porco combina com esse estilo, principalmente se ela for preparada com molho agridoce”, explica Vaz. Outro estilo de cerveja que combina com o tempo mais ameno do outono é o estilo Pale Ale, que possui sabor maltado e um aroma que lembra cereais e caramelo.

Na hora de harmonizar, escolha carnes grelhadas ou assadas como um frango assado na churrasqueira com carvão ou um bife grelhado. “A Pale Ale fica ótima com carnes que têm um pouco mais de gordura. Isso porque o amargor, por mais que seja bem leve, ajuda a quebrar esse aspecto gorduroso”, pontua Vaz. Para quem não abre mão da culinária italiana e gosta de saborear diferentes tipos de massa, o estilo Ale combina principalmente com massas produzidas com molho de tomate.

“Como esse tipo de cerveja possui toques caramelados, ela acaba suavizando a acidez do molho, então ela pode ser harmonizada com lasanha ao sugo, macarrão ou nhoque à bolonhesa. O ideal é que uma cerveja Ale seja servida em um mug e sua temperatura deve estar entre 5 e 7ºC”, pontua Vaz.

Além de entradas e pratos principais, as cervejas também combinam com sobremesas. Aproveitando que o inverno permite refeições mais elaboradas, uma opção para quem não abre mão de apreciar um doce são as sobremesas preparadas com chocolate.

Nesse caso, a harmonização com cerveja pode ser feita combinando sabores iguais, ou seja, um prato feito com chocolate harmoniza com uma cerveja com sabor de chocolate, como é o caso da Porter. A cerveja possui uma coloração escura e sua produção é feita com malte torrado. Além do aroma e do sabor de chocolate, a bebida conta com aromas de biscoito e caramelo.

“A Porter não é uma cerveja que precisa ser apreciada extremamente gelada pois é uma cerveja mais encorpada. Ela combina com diferentes sobremesas preparadas com chocolate, como petit gateau ou uma torta feita com chocolate”, diz Vaz. Outro estilo que combina com sobremesas é a Pilsen Puro Malte produzida com aromas e sabores de Café e Cacau. Ela possui um sabor de malte suave e lúpulos agradáveis.

Sobre a Ashby

Foi no ano de 1993 que Scott Ashby, americano que chegou ao Brasil em 1992, decidiu montar, na cidade Amparo, SP, a primeira Micro Cervejaria do Brasil, a fim de trazer ao país o conceito de cervejas especiais dos EUA. Scott, Doutor em Física, apaixonado por cervejas, ingressou no curso de Mestre Cervejeiro na Universidade da Califórnia no ano de 1990 e, logo em seguida começou a trabalhar na cervejaria americana Wasatch, onde permaneceu por dois anos. Antes disso, Scott já era homebrewer e produzia cervejas para seus amigos, que rapidamente consumiam toda a produção caseira.

E a diferenciação da empresa já começou quando pensou em montar uma fábrica na cidade de Amparo, SP, circuito das Águas Paulistas. Como essas bebidas são compostas por 90% de água, a qualidade desta na fabricação é extremamente relevante. Por isso a Ashby escolheu estrategicamente o melhor lugar para suas instalações. As águas de Amparo, além de conservar a pureza que brota da terra, têm um equilíbrio excelente entre sais e minerais tornando-a perfeita para a fabricação de chopes e cervejas de qualidade ímpar.

Foi graças à Ashby que o cenário do mercado nacional começou a experimentar um novo conceito de cervejas diferenciadas, o que antes era privilégio para poucos.

Informações à Imprensa e fotos
Cervejaria Ashby 
Renato Lopes Aranha: (Noticia Express)

 Algumas ideias de pratos com peixe para a sexta-feira santa.

Receitas para semana santa com “Peixe”

PEIXE ASSADO

INGREDIENTES:

1 peixe de aproximadamente 3 kg., 2 copos de vinho branco, 2 cebolas raladas, alho, coentro, salsa, pimenta, manteiga. sal a gosto, caldo de limão, 300 gr. de camarão, 1 côco ralado.

MODO DE FAZER:

Esfregue o peixe por dentro e por fora com uma vinha d’alhos. Deixe pelo menos durante 1 hora, sempre virando o peixe. Coloque-o numa assadeira cubra com bas-tante manteiga, junte a vinha d’alhos e leve ao forno não muito forte, para assar, regando sempre com o próprio molho. Rale o côco e aproveite a própria água do côco ralado e reserve. Esprema restante para tirar o leite. Refogue os camarões com todos os temperos. Com o leite de coco, pre. pare um molho branco com farinha e manteiga. Junte o côco ralado (a xicara reservada). Ao retirar o pei-xe do forno, cubra com o molho branco. Misture o restante do molho com o refogado de camarão e coloque ao lado do peixe.

 

FILES DE PEIXE AO CREME PARMESÃO

Freepik

Ingredientes:

1 Kg de filé de peixe, 1 xícara de creme de leite, 2 C de suco de limão, 1/4 de xícara de manteiga amolecida, 1/2 xícara de queijo parmesão ralado, 1/2 colher (chá) de sal, 1/4 colher (chá) de pimenta

Modo de Fazer:

Coloque os filés de peixe dentro de uma forma refratária bem untada. Misture o creme de leite, o suco de limão, a manteiga, o queijo, o sal e a pimenta. Espalhe esses ingredientes sobre os filés. Asse em forno brando até que esteja dourado (demore aproximadamente uns 30 minutos).

STROGONOFF DE CAMARÕES

Freepik

INGREDIENTES:

1 kg. de camarões, 1 copo de cogumelos. 200 gr. de manteiga ou marga-rina 2 cebolas médias raladas, 2 colheres (sopa) de vinho branco seco, 1 dente de alho socado, algumas gotas de molho inglês, 3/4 de copo de creme de leite, 1 colherinha (café) de katchup, 6 colheres (sopa) de água, 3 colheres (sopa) de farinha de trigo, sal, pimenta do reino, salsa picadinha.

MODO DE FAZER:

Limpe os camarões e refogue-os com sal e 100 gr. de manteiga. Quan-do estiverem cozidos, retire os camarões ponha mais 100 gr. de manteiga na panela, a cebola o alho e deixe dourar. Depois acrescente os cogumelos e deixe até ficarem corados. Se forem de latas levarão apenas um instante. Misture a água e o vinho, dissolva a farinha na mistura e despeje na panela, mexendo bem até encorpar. Então acrescente o molho inglês, katchup, salsa e os camarões. Deixe ferver, junte o creme de leite e abaixe o fogo. Quando estiver bem quente, tire e sirva, antes que ferva de novo.

FILE DE PEIXE NA MANTEIGA

 

Freepik

INGREDIENTES:

1/2 kg. de filé de peixe temperado com sal, pimenta e limão.

MODO DE FAZER:

Passar os filés na manteiga derretida e fritar na frigideira Tefal que não gruda. Primeiro de um lado, quando corar vire com cuidado o outro lado.

Prepare um molho branco assim: Frite 1/2 cebola pequena em 3 colheres de manteiga. Fritar junto 1 colher bem cheia de farinha de trigo, acrescentar uma colherinha de sal, um copo melo de leite. Mexer bem para desmanchar a farinha e tire fora a cebola, quando levantar fervura, prove novamente se está bom de sal, acrescente fora do fogo algumas gotas de molho Sakura. Refogue na manteiga os cogumelos. Ponha em uma travessa os filés de peixe recém fritos de um lado, de outro o molho branco com cogumelos por cima e ainda umas colherinhas de alcaparra. E bom apetite.

 

“PSARI PLAKI” (PEIXE AO FORNO)

Freepik

(6 PESSOAS)

INGREDIENTES: 6 postas de peixe de 2 cm. de espessura, mais ou menos 1 kg, 6 temates grande e maduros, 1 dente de alho, 1 colher (sopa) bem cheia de salsa pIcadas, 1 limão, farinha de rosca, vinho branco seco, sal, pimenta do reino, óleo.

MODO DE FAZER: Amasse o alho, pique a cebola, junte a salsa picada e torne a bater tudo com a faca.  Coloque então numa tigela adicione 1 copo de óleo, os tomates passados na peneira, sal e pimenta a gosto. Despeje um pouco desse molho numa forma refrataria. Disponha por cima as postas de peixe (se preferir passe-as na farinha de trigo), regue com o molho restante, polvilhe com 2 colheres (sopa) de farinha de rosca e borrife com caldo de limão.

É costume colocar 1 fatia de limão e 1 tomate cru sobre cada posta de peixe antes de assá-las.

Leve ao forno moderado aproximadamente 35 ou 40 minutos. Um quarto de hora depois de colocar o peixe no forno, regue-o com um pouco de vinho branco. Sirva quente.

CAMARÃO AO CREME

Freepik

INGREDIENTES:

1/2 kg de camarão, 1 vidro de leite de coco, 2 xicaras de leite. I colher de manteiga, 2 colheres de maizena, 3 colheres de parmesão, a gemas, fatias de queijo prato. Tempere tomate pimentião cheiro verde, pimenta do reino, 1 colher de katchup

MODO DE FAZER:

Bater no liquidificador todo os temperos. Refogar numa panela os cams um ponto de azeite e os temperos. Deixar engrossar bem. Botar 1 colher de katchup es de ele de cics, deixar mais um pouco no fogo. Retire do fogo.

A PARTE FAZER O MOLHO BRANCO 2 xicaras de leite, 2 colheres de maizena, 1 colher de manteiga e o parmesão, 1 pitada de sal, levar ao fogo para engrossar. Colocar no pirex: camarão creme queijo prato por cima. Levar ao forno.

 

A culinária do Rio Grande do Sul tem como tradição a carne de charque, o churrasco e muito mais. Veja algumas receitas gaúchas.

PALETA DE CORDEIRO:

A ovelha, como nos referimos ao carneiro, é muito apreciada em todos os rincões do Rio Grande. Algumas regiões, é claro, têm maior preferência por essa carne, como é o caso dos pampas. Bagé, minha querida terra do coração, está entre os maiores rebanhos gaúcho e seu consumo começa ainda na tenra idade. Sugerimos para um almoço de domingo a “pá” de ovelha (paleta).

Ingredientes: 1 paleta de cordeiro (perna dianteira) com osso; 2 dentes de alho; 1 xícara de vinho branco seco; 1 lata de cerveja; 100 ml de vinagre de vinho branco; 1 colher (sopa) de mel; 1 masso de ervas frescas (alecrim, salvia, salsa, tomilho, hortelã, manjerona e orégano); 30 ml de molho de soja; 70 ml de vinagre balsâmico; suco de 1 limão; e sal fino a gosto.  

Modo de Fazer:  Coloque todos os ingredientes em uma assadeira alta e deixe marinar por duas horas. Levo ao forno coberto com papel alumínio por duas horas (200º). Retire o alumínio e asse por mais 1 hora  (180º) regando a cada 15 minutos com o suco do tempero. Não precisa virar. Sirva quando a paleta estiver crocante.

ARROZ DE CHINA POBRE

O arroz mais famoso dos pampas gaúcho é o carreteiro, mas tem outro que não é pra menos dentro da culinária tradicional do Rio Grande: É Arroz de China Pobre.

INGREDIENTES:
200g arroz, 400g lingüiça, 1 cebola média picada, 1 dente de alho, cheiro verde (salsa, tomilho e cebolinha)

PREPARO: Aquecer uma panela de ferro com banha de porco ou óleo e fritar a cebola, o alho, e a lingüiça cortada em pedaços pequenos. Quando dourar acrescentar o arroz. Fritar mais um pouco, cobrir com água (quente), pôr um pouco de sal e cozinhar com a tampa fechada até reduzir a água e o arroz ficar pronto. Por fim, acrescente o cheiro verde.

ARROZ DE CARRETEIRO

gauchada diz que não existe “a receita” de carreteiro, pois assim como o churrasco, cada um prepara o arroz com charque de maneira própria. E todos acham que o seu carreteiro é melhor, até porque não conhecem o meu! A simplicidade é a tônica principal, muito tempero, legumes, enfeites e outros aditivos descaracterizam esse prato básico da culinária campeira. O melhor charque é o fresco (verde) e produzido com carne de primeira, apesar de que o charque feito duma costela gorda de novilho é especial.
Como aqui não há disputa entre gaúchos, segue a receita tradicional dos nossos primórdios guapos.

Ingredientes:200g de charque 4 colheres (sopa) de óleo 5 dentes de alho picados1 cebola grande picada4 tomates picados3 pimentões picados350g de arroz sal a gosto

Modo de Preparo: Leve ao fogo uma panela com água até ferver. Adicione a carne e deixe por meia hora. Retire do fogo, escorra a água e corte a carne em pedaços pequenos. Em uma panela, aqueça o óleo, junte o alho, a cebola, o tomate e o pimentão. Deixe cozinhar por cerca de 8 minutos, mexendo de vez em quando. Em seguida, junte o arroz, um pouco de água fervente e deixe cozinhar por 15 a 20 minutos. Adicione sal, se necessário

VACA ATOLADA

Ingredientes:

3 kg de costelas de boi magras e cortadas em pedaços com cerca de 6 cm.

3 dentes de alho amassados.

1 cebola grande bem picada.

1 colher de sopa de sal.

2 colheres de sopa de suco de limão.

1 folha de louro.

4 colheres de sopa de óleo.

10 xícaras de chá de água quente.

1 kg de mandioca sem casca e cortada em pedaços com cerca de 5 cm. pimenta-malagueta amassada a gosto.

2 cebolas grandes cortadas em rodelas

Modo de Preparo:

Coloque as costelas numa tigela e tempere com o alho, a cebola picada, o sal, o suco de limão e o louro. Deixe descansar por algumas horas ou até o dia seguinte.
Numa panela grande, coloque o óleo e aqueça em fogo alto. Junte as costelas e frite, virando sempre, até ficarem bem douradas. Aos poucos, acrescente a água quente e cozinhe, mexendo de vez em quando, até as costelas ficarem macias.
Adicione os pedaços de mandioca e cozinhe, virando regularmente, até ficarem macios. Verifique o tempero e acrescente sal e pimenta-malagueta a gosto.
C ubra as costelas e a mandioca com as rodelas de cebola, tampe a panela e cozinhe por mais alguns minutos, somente até as cebolas ficarem macias. Tire do fogo.
Numa travessa grande, coloque as costelas, cubra com a mandioca e, por cima, distribua a cebola. Sirva imediatamente.

ARROZ CARRETEIRO


INGREDIENTES:

1/2 kg de charque, 1 cebola picada, 1 dente de alho picado, 2 colheres de sopa de óleo, 4 xícaras de água, 1/2 kg de arroz, cheiro verde picado.
PREPARAÇÃO:
Lavar o charque e deixar de molho de véspera (não sendo possível deixar o charque de molho, dar uma esquentada depois de picado, pois o efeito será o mesmo. Este é o modo de proceder do carreteiro, à falta de tempo). Trocar a água diversas vezes para que não fique salgado. Cortar o charque em pedaços e refogar com óleo e a cebola e o alho bem picados, de preferência em panela de ferro pré-aquecida. Acrescentar o arroz e cobrir com água. Deixar cozinhar, mexendo de vez em quando, para haver uma cocção parelha. Assim que o arroz estiver cozido, retirar do fogo e servir. Na hora de servir, coloque o cheiro verde por cima. Acompanhar com feijão mexido.
Serve 4 pessoas.

ESPINHAÇO DE OVELHA COM ARROZ


Ingredientes:
1 kg de espinhaço de ovelha (costelas) limpo
1 colher (sopa) de sal
2 colheres (chá) de alho amassado
Uma pitada de pimenta do reino
1 pimenta vermelha picada
2 colheres (sopa) de óleo
1 raminho de manjericão ou alfavaca
2 1/2 xícaras de água
1 cebola grande picada
1 xícara de arroz
2 xícaras de água fervente
1 colher (chá) de colorau.
Modo de preparo:
Lave os espinhaços, corte em pedaços, misture sal, alho, pimentas até formar uma pasta e esfregue bem nos pedaços de carne.
Coloque óleo em uma panela, aqueça em fogo alto, junte a carne e deixe dourar ligeiramente, mexendo de vez em quando para não grudar na panela, acrescente ramo de manjericão ou alfavaca, cozinhe regando com água aos poucos, por cerca de 30 minutos ou até a carne ficar macia.
Junte cebola, refogue até ficar ligeiramente dourada, acrescente arroz, frite, mexendo sempre por alguns minutos, regue com água fervente, junte colorau, misture bem, verifique o tempero e cozinhe em fogo alto por cerca de 5 minutos.
Tampe a panela, abaixe o fogo e continue o cozimento até o arroz secar e ficar macio.
Tire do fogo, coloque em um prato de servir e leve à mesa.
Rendimento: 4 porções.

MATAMBRE RECHEADO

Ingredientes para o Matambre:
1 matambre com cerca de 2 kg limpo
2 colheres (sopa) de sal
1 colher (chá) de pimenta do reino
1 colher (sopa) de coentro em grãos
1/2 colher (chá) de cravo-da-Índia em pó
1 dente de alho amassado
3 xícaras de vinho branco seco.
Ingredientes para o Recheio:
4 claras
2 xícaras de queijo parmesão ralado
4 gemas levemente batidas
2 colheres (sopa) de salsa picada
1 xícara de farinha de rosca.
Modo de preparo do Matambre:
De véspera, bata o matambre no sentido das fibras com o martelo de cozinha, coloque em uma assadeira, tempere com sal, pimenta, coentro, cravos, alho, vinho branco e deixe descansar até o dia seguinte.
Modo de preparo do Recheio:
Bata as claras em ponto de neve, junte parmesão, gemas, salsa, farinha de rosca e misture bem.
Com uma faca afiada, abra o matambre (sem separar as duas partes) deixando a parte interna para cima, espalhe o recheio sobre a carne, enrole como se fosse um rocambole sem apertar muito, costure com agulha e linha grossa e amarre toda a peça para manter o formato.
Coloque na panela de pressão grande, regue com a marinada, junte água o suficiente para cobrir a carne, leve ao fogo alto, deixe ferver, reduza o fogo e cozinhe por cerca de 1 hora.
Tire o matambre da panela, deixe esfriar, corte em fatias, coloque em uma prato de servir e leve à mesa, acompanhado de salada de agrião ou de outra verdura.
Rendimento: 10 porções.

 MOCOTÓ


Os ingredientes

4 patas de gado muito bem lavadas, 1 coalheira, 2 kg de mondongo, 1 tripa grossa, 1/2 kg. de linguiça, 1 kg . de feijão branco, 2 colheres de sopa de óleo, 2 cebolas, 4 tomates, temperos, 1 dente de alho, ovos duros picados.
A preparação: 

Pôr a carne a ferver (de véspera), em água fria, com todos os temperos, até despegar o osso das patas. Deixar de véspera, também, uma ou duas xícaras de feijão branco de molho. Cozinhar o feijão e reservar. azer um refogado com cebolas, tomates, alho, louro, salsa, cebolinha e aí refogar os miúdos picados e a linguiça em pedaços. Acrescentar a água em que foram aferventados e deixar ferver bastante. Meia hora antes de servir, juntar o feijão branco. Enfeitar com ovos duros e tempero verde picados.

FEIJÃO MEXIDO

O feijão mexido é, normalmente, o aproveitamento das sobras do feijão. Se houver charque e outras carnes, devem ser desfiados ou cortados em guisado miúdo. Frita-se mais uma cebola, um pimentão e uma pimenta verde bem picados. Ponha o feijão a esquentar. Quando ferver, junte os temperos com a gordura e um molho de tempero verde picadinho, e misture bem. Depois de 5 minutos, retire a panela do fogo e misture lentamente a farinha de mandioca, até engrossar o feijão. Tampe a panela e leve ao fogo por mais 10 min, mexendo de vez em quando

 

(Imagens ilustrativas reprodução redes sociais