Semana reforça importância da doação de medula óssea

Medula produz os componentes do sangue: as hemácias, os leucócitos e as plaquetas – Foto: Divulgação/Ican Ações de esclarecimento e a conscientização feitas por organizações privadas e públicas serão reforçadas desta sexta-feira (14) até 21 de dezembro com a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea. A intenção é tornar mais fácil a chance de quem precisa de … Leia Mais


Levantamento alerta para infestação do Aedes aegypti em 93 cidades do RS

Um total de 305 municípios do estado realizou no último mês o quarto Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) e o Levantamento de Índice Amostral (LIA) do ano. A análise aconteceu nas cidades consideradas infestadas pelo mosquito. Pelo método, 93 cidades do RS possuem infestação em situação de alerta ou risco alto, o … Leia Mais



Prefeito de Buenos Aires culpa torcidas organizadas pela suspensão da Libertadores

O prefeito de Buenos Aires, Horácio Rodriguez Larreta, responsabilizou neste domingo (25) a “máfia das barras bravas (torcidas organizadas)” do futebol argentino pelos atos de violência no sábado (24), que levaram à suspensão da final da Taca Libertadores. Milhares de torcedores passaram dois dias indo ao Estádio Monumental de Nuñez, do River Plate, para vê-lo disputar … Leia Mais


Pesquisadores do Cappa, da UFSM e da USP descobrem mais antigo dinossauro de pescoço longo


Pesquisadores brasileiros acabam de publicar um estudo no periódico britânico Biology Letters onde apresentam uma nova espécie de dinossauro descoberto no Brasil. O animal, que recebeu o nome de Macrocollum itaquii, foi descrito a partir de três esqueletos fossilizados escavados em rochas triássicas do município de Agudo, no interior do Rio Grande do Sul. Além de estarem associados e muito bem preservados, os materiais representam a primeira ocorrência de esqueletos completos de dinossauros no Brasil.

Com cerca de 3,5 metros de comprimento, o que mais chama a atenção nesses animais é o pescoço bastante longo. Esta é uma das principais características do grupo de dinossauros que inclui os gigantes pescoçudos, os saurópodes, como Brachiosaurus e Apatosaurus. Um ponto importante acerca da nova descoberta é que Macrocollum itaquii é muito mais antigo do que qualquer outro dinossauro de pescoço longo já descrito, uma vez que as rochas de onde os esqueletos foram escavados têm cerca de 225 milhões de anos. Isso faz com que o novo dinossauro brasileiro passe a ser o mais antigo pescoço longo já descoberto.

Desenho do dinossauro mostra uma cauda de um metro Representação esquemática do Macrocollum itaquii (Desenho: Rodrigo Müller)

Essa idade também o torna muito especial, pois existia uma lacuna no registro fóssil de dinossauros, com vários esqueletos de idades um pouco mais antigas e um pouco mais recentes, mas aqueles com aproximadamente 225 milhões de anos são muito raros. O momento é importante para a história evolutiva dos dinossauros, porque antecede o período em que os dinossauros se tornaram dominantes em quase todo o planeta. Assim, o Macrocollum itaquiiajuda a entender como eram os dinossauros que antecederam esse momento e também quais características podem ter levado ao grande sucesso posterior do grupo.

Pescoçudo viveu na Era Mesozoica 

Desenho de grupo de dinossauros pescoçudos Grupo de Macrocolluns em uma floresta do Triássico (ilustração por Márcio Castro)

A dentição do novo dinossauro indica que ele se alimentava de plantas. Deste modo, o pescoço longo pode ter permitido que os animais dessa espécie alcançassem a vegetação mais alta, a qual outros animais da mesma época não eram capazes de alcançar. Essa habilidade provavelmente foi uma das principais responsáveis pelo sucesso do grupo dos sauropodomorfos – do qual o Macrocollum itaquii faz parte – durante a Era Mesozoica. 

Por meio do estudo da anatomia dos esqueletos também foi possível traçar como foi a evolução de determinadas características nos sauropodomorfos.

Fóssil bem preservado ajudou a traçar a evolução de características dos sauropodomorfos

Ao utilizar como bases fósseis de outros animais desse grupo no Rio Grande do Sul, mas de diferentes idades, os pesquisadores concluíram que durante um intervalo de oito milhões de anos, a dieta herbívora foi aprimorada no grupo, os sauropodomorfos cresceram significativamente e o pescoço tornou-se proporcionalmente duas vezes mais longo.

Outra novidade revelada pelos esqueletos excepcionalmente bem preservados é que esses animais possivelmente andavam em grupos, um comportamento chamado de gregarismo. Essa também é a mais antiga evidencia desse tipo de hábito em sauropodomorfos.

Origem do nome

O nome “Macrocollum” significa pescoço longo, em referência a principal característica do animal. Já “itaquii” faz homenagem a José Jerundino Machado Itaqui, que foi um dos principais responsáveis pela criação do Centro de Apoio a Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia, onde os fósseis do dinossauro estão depositados.

Achado ocorreu em 2013

Em primeiro plano se nota o crânio de um animal na mão de uma pessoa e, ao fundo, desfocada, a imagem de um fóssil completo de um pescoçudoPesquisador compara tamanho do crânio do animal com fóssil completo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os esqueletos foram coletados no início de 2013 e passaram por um cuidadoso trabalho de preparação durante os últimos anos, com o objetivo de extraí-los da rocha em que seus restos foram preservados. Os pesquisadores responsáveis pelo estudo são o paleontólogo Rodrigo Temp Müller, do Centro de Apoio a Pesquisa Paleontológica da UFSM, o professor Max Cardoso Langer, da Universidade de São Paulo, e o professor Sérgio Dias da Silva, da UFSM.

Os fósseis da nova espécie ficarão depositados no Cappa, em São João do Polêsine, onde poderão ser visitados, tanto por pesquisadores como por quaisquer pessoas interessadas que queiram conhecê-los.

Texto: Rodrigo Temp Müller, paleontólogo Edição: Agência de Notícias


Heineken F1 Experience leva 70 mil pessoas à orla do Guaíba em Porto Alegre


Cerca de 70 mil pessoas passaram pela Orla Moacyr Scliar neste sábado, 10, para assistir ao Heineken F1 Experience, segundo estimativa da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e a organização do evento, que trouxe o clima da Fórmula 1 para Porto Alegre. O ronco do motor do carro da Willians Racing, pilotado por Rubens Barrichello, tomou conta do mais novo cartão-postal dos porto-alegrenses em um dia perfeito de sol e muito calor. Outra grande atração foi o ex-piloto e tricampeão mundial de Fórmula 1 (1969, 1971, 1973), Sir Jackie Stewart. O prefeito Nelson Marchezan Júnior e o vice-prefeito Gustavo Paim estiveram presentes no evento.

Porto Alegre e Rio de Janeiro foram as únicas cidades escolhidas pela Heineken para receber a atração, licenciada pelo Escritório de Eventos, que envolveu mais de 100 atividades econômicas direta e indiretamente só na capital gaúcha. Além do fator econômico, o Heineken F1 Experience trouxe a atmosfera de um esporte com acesso a poucos de forma gratuita aos porto-alegrenses, no mesmo fim de semana em que ocorre o GP Brasil de Fórmula 1 em São Paulo. “Sabemos dos transtornos no trânsito, mas que não foram significativos. Foi um evento sem nenhum investimento público e que levou o nome de Porto Alegre para o Brasil e o mundo. Isso é muito gratificante”, disse o prefeito Marchezan.

A prefeitura não teve custos com o evento.  A marca de cervejas arcou com as despesas para confecção de placas de trânsito da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), limpeza pública, banheiros químicos, reforço de segurança privada e pagou uma taxa para utilização da Orla do Guaíba. A previsão da EPTC é que o trânsito seja normalizado na região do Gasômetro na terça-feira, 13.

A Empresa Publica de Transporte e Circulação (EPTC) destaca a colaboração da população para acessar o local por modais alternativos e não veículos particulares. “Agradecemos os porto-alegrenses que deixaram o carro em casa e foram até o evento conforme nossa orientação. Essa consciência foi responsável por não haver impacto significativo na mobilidade da região durante este sábado, mesmo com grande púbico na orla. Avaliamos como positiva as alternativas que foram executadas”, afirmou Paulo Ramires, gerente de Fiscalização e Transporte da EPTC. Em alguns momentos deste sábado houve registro de lentidão nas ruas internas no Centro Histórico para absorver o fluxo que estava desviado, mas sem reflexo significativo no trânsito.

Atrações – O ex-piloto Rubens Barichello deu três voltas na pista de 600 metros, montada do Gasômetro em direção ao Centro Histórico. Simpático, Rubinho interagiu com o público e arrancou aplausos. Emocionado, agradeceu pelo carinho. “Estou muito feliz em estar aqui”, disse ele.

Performances de drifting (manobras em alta velocidade), da equipe Drift Meet Team, shows de motos acrobáticas do Força e Ação e o desfile da Heineken Parade foram as atrações durante os 45 minutos entre uma entrada e outra de Rubinho na pista. O grande show artístico do dia ficou por conta do duo de DJs e produtores brasileiros André Laudz e Zegon, conhecidos como Tropkillaz, que encerraram a festa.

O gerente da Heineken do Brasil, Guilherme Retz, participou da ação e garantiu que a Capital é de extrema importância para a marca. Já o diretor da Red Door Agency, Pedro Gameiro, responsável pela realização do evento, falou sobre a preocupação com a segurança.  Todo o percurso do carro foi protegido por gradis e barreiras de bombas d´água, além de um corredor que separou as duas proteções.

Os bloqueios de trânsito para a desmontagem da estrutura prosseguem até terça-feira, 13. Confira o cronograma:

 

No dia 9/11, das 20h até 12/11, às 6h

 

– Bloqueio da avenida Mauá x rua Gen Bento Martins (Desvio: rua Gen Bento Martins, Washington Luiz, avenida Augusto de Carvalho)- Bloqueio da avenida Pe. Tomé x rua Siqueira Campos

 

– Bloqueio da avenida Edvaldo Pereira Paiva Bairro/Centro na Rótula das Cuias (Desvio: avenida Augusto de Carvalho, Loureiro da Silva, Vasco Alves, Washington Luiz, Gen. Salustiano, Andradas, Gen. Canabarro)

 

– Bloqueio da avenida Loureiro da Silva Bairro/Centro x rua Gen Vasco Alves (Desvio: Vasco Alves, Washington Luiz, Gen. Salustiano, Andradas, Gen. Canabarro)

 

– Bloqueio da avenida Pe. Tomé x Rua Siqueira Campos

 

Transporte

 

– Aos usuários do transporte coletivo, as três paradas na avenida Loureiro da Silva, localizadas no Gasômetro, na Câmara Municipal de Vereadores e na Praça Brigadeiro Sampaio, ficam desativadas devido ao desvio realizado pela rua Bento Martins.

 

12/11/ às 6h até 13/11 às 23h59 – desmontagem

 

– Bloqueio da avenida Edvaldo Pereira Paiva Bairro/Centro na Rótula das Cuias (Desvio: avenida Augusto de Carvalho, Loureiro da Silva, Vasco Alves, Washington Luiz, Gen. Salustiano, Andradas, Gen. Canabarro)

 

– Bloqueio da avenida Loureiro da Silva bairro/Centro x rua Gen. Vasco Alves (Desvio: rua Gen Vasco Alves Washington Luiz, Gen. Salustiano, Andradas, Gen. Canabarro)

 

– Bloqueio da avenida Pres. João Goulart Centro/bairro, a partir da Praça Brigadeiro Sampaio (Desvio: pista bairro/Centro da avenida Pres João Goulart da Praça Brigadeiro Sampaio até a Rótula do Gasômetro)

 

– Bloqueio da avenida Edvaldo Pereira Paiva Centro/Bairro da rótula do Gasômetro até a Rótula das Cuias (Desvio: avenida Loureiro da Silva, avenida Augusto de Carvalho)

 

– Se necessário será bloqueada a avenida Castello Branco Interior/Capital x avenida Mauá para maior fluidez em qualquer uma das etapas.

 Fonte Texto de: Lissandra Mendonça e Gabriela Duarte
Edição de: Gilmar Martins
Foto: Eduardo Beleske/PMPA

Enem: bom uso do português será diferencial na redação, diz professor


A prova de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deverá ser mais exigente este ano, e os estudantes deverão estar atentos, sobretudo ao uso da língua portuguesa, segundo o coordenador pedagógico do Vetor Vestibulares, Rubens César Carnevale, que foi corretor da redação do Enem por três anos seguidos, de 2014 a 2016.

“O que aparece na correção do Enem é a gramática instrumental. O aluno tem que ser usuário do idioma. Não precisa ser especialista, não tem que saber nomenclatura, mas tem que saber usar”, diz.

Estados não cumprem meta do Ideb
Estudantes fazem a prova do Enem – Wilson Dias/Arquivo Agência Brasil

Neste domingo (4), os 5,5 milhões inscritos no Enem farão as provas de linguagem, ciências humanas e redação. Terão para isso, o tempo de 5 horas e 30 minutos. O Enem continua no dia 11 de novembro, com as provas de ciências da natureza e matemática.

O rigor da correção, segundo o professor, tem aumentado a cada ano. Em 2018, a previsão é que os corretores estejam mais exigentes, principalmente em relação ao uso da língua portuguesa. Pelo menos duas competências das cinco avaliadas no Enem cobram explicitamente o idioma.

“O Enem tem aperfeiçoado o método de correção. Não tem mais a expectativa de que aconteça o que ocorreu há quatro anos, quando alunos colocavam receitas ou hinos e tiravam nota. A expectativa não é mais essa. O treinamento dos corretores está mais rigoroso. Vai ter treinamento depois da prova. Isso é feito em todas as bancas de vestibular”, afirmou.

Para ir bem na prova, o professor dá algumas dicas, como fazer um rascunho com os principais tópicos que pretende abordar no texto. Além disso, dar atenção ao primeiro parágrafo porque ele vai definir o estilo e a linha de discurso: “O melhor é já causar uma boa primeira impressão”. 

Se o tema for polêmico, Carnevale recomenda que os estudantes coloquem a visão contrária para que o avaliador entenda que o autor da dissertação compreende o panorama completo. Apesar disso, ressalta: “O texto deve ter uma conclusão clara e, embora seja possível listar outros pontos de vista na redação, não deve haver dúvida sobre a mensagem que o autor do texto pretende passar”. 

Na proposta de intervenção, exigida no texto, o estudante deve deixar claro alguns elementos, primeiro, o agente, que é quem vai tomar a medida; a ação necessária; depois o meio para que seja executada e a finalidade da intervenção. Desde o ano passado, desrespeito aos direitos humanos não é mais motivo para zerar a redação inteira, mas, ainda poderá zerar uma das competências, resultando em perda de 200 pontos.

Capacitação

Em 2018, a correção será de responsabilidade da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O preparo dos corretores começou em agosto. Segundo a FGV, todos os supervisores e avaliadores de redação do Enem passaram por uma capacitação a distância por cerca de um mês. A seleção dos melhores foi baseada em uma série de avaliações realizadas ao longo desse curso. 

Além da capacitação a distância, os avaliadores também participarão, nos dias 24 e 25 de novembro, de uma capacitação presencial. Antes do início da correção efetiva, eles passam ainda por um pré-teste.

Durante a correção efetiva, que começará no dia 28 de novembro, os supervisores e coordenadores acompanham diariamente o desempenho dos avaliadores por meio de relatórios gerados pelo software de correção, com números em tempo real, para que os alinhamentos ocorram de forma rápida, sem prejuízos aos participantes.

Correção

Os textos serão avaliados por, pelo menos, dois professores, sem que um conheça a nota atribuída pelo outro. A redação será avaliada considerando-se cinco competências. Para cada uma delas, os avaliadores darão uma nota de 0 a 200. A soma desses pontos comporá a nota total de cada avaliador, que pode chegar a 1 mil pontos.

A nota final do participante será a média aritmética das notas totais atribuídas pelos dois avaliadores.

Caso as notas atribuídas individualmente pelos avaliadores tiverem uma diferença de mais de 100 pontos, ou a nota de qualquer uma das competências tiver uma diferença de mais de 80 pontos, a redação passará por um terceiro avaliador. Nesse caso, a nota final será a média aritmética das duas notas totais que mais se aproximarem.

Se a diferença continuar depois da terceira avaliação, a redação será avaliada por uma banca presencial composta por três professores, que atribuirá a nota final do participante.

Competências

As competências avaliadas nas redações são:

Competência 1: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa. Competência 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

Competência 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Competência 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Competência 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado que respeite os direitos humanos.

Redação nota zero

As redações do Enem receberão a nota zero nos seguintes casos:

Fuga total ao tema;

Não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa;

Caso tenham até sete linhas, tamanho considerado insuficiente;

Cópia integral de um ou mais textos motivadores da Proposta de Redação e/ou de textos motivadores apresentados no Caderno de Questões;

Impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação, tais como números ou sinais gráficos fora do texto;

Parte deliberadamente desconectada do tema proposto;

Assinatura, nome, apelido ou rubrica fora do local devidamente designado para a assinatura do participante;

Texto predominantemente em língua estrangeira;

Folha de redação em branco, mesmo que haja texto escrito na folha de rascunho.

Mais detalhes e exemplos de redações de edições anteriores podem ser acessadas na Cartilha do Participante

 

Texto Por Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil


Brasil tem 2.425 casos confirmados de sarampo


Até o dia 22 de outubro, 2.425 casos de sarampo foram confirmados no Brasil, sendo 2 mil no Amazonas e 332 em Roraima. Os dois estados registram ainda um total de 7.674 casos em investigação. De acordo com o Ministério da Saúde, casos isolados da doença foram confirmados em São Paulo (3), no Rio de Janeiro (19), no Rio Grande do Sul (43), em Rondônia (2), em Pernambuco (4), no Pará (17), no Distrito Federal (1) e em Sergipe (4).

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo.
Vacina contra o sarampo – Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

O levantamento mostra que, até o momento, 12 mortes por sarampo foram confirmadas no país, incluindo quatro em Roraima (três estrangeiros e um brasileiro), seis no Amazonas (todos brasileiros, sendo três de Manaus, dois do município de Autazes e um do município de Manacapuru) e duas no Pará (indígenas venezuelanos).

Em nota, o ministério informou que, de janeiro a outubro, encaminhou o quantitativo de 13,2 milhões de doses da vacina tríplice viral – que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola – para os seguintes estados: Rondônia, Amazonas, Roraima, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Sergipe e o Distrito Federal. O objetivo, segundo o ministério, é atender à demanda dos serviços de rotina e a realização de ações de bloqueio, intensificação e campanha de vacinação para prevenção de novos casos da doença;

 

Fonte: Por Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil


Outubro Rosa: Mulheres vencem o câncer de mama com apoio familiar e suporte médico


Diante do medo ao receber um resultado positivo de câncer, a batalha contra a doença pode parecer assustadora. Aos 37 anos, a farmacêutica Kalley Damares Freitas de Teixeira foi diagnosticada com câncer de mama. Para atenuar a dor, o remédio foi o amor da família e dos amigos. A vontade de viver falou mais alto e a corrida pela vida se tornou uma meta diária. 

Graças ao hábito de fazer exames preventivos anualmente, o diagnóstico veio na fase inicial. Foi em um dos exames de rotina, em 2017, que Kalley descobriu o câncer. Sua primeira reação foi tomar as providências que precisava para o próximo passo. Seu foco passou a ser a cura. “A forma em que a gente se posiciona diante de um diagnóstico de uma doença é muito importante para a cura. Procurei me tranquilizar, coloquei minha fé em Deus acima de tudo e a minha confiança completa na ciência, na medicina”, afirmou.

Em seu tratamento, a primeira etapa foi a mastectomia, procedimento de retirada da mama direita completa. Em seguida, fez 16 quimioterapias, 28 sessões de radioterapia e, agora, está na fase da hormonoterapia. Pouco mais de um ano, já levando uma vida normal, a descoberta do câncer trouxe um novo significado para sua vida.

Desafios

“O tratamento oncológico foi um clique, foi uma virada de chave na minha vida. […] Com o tratamento, eu ressignifiquei meu estilo de vida, meus hábitos. Hoje tenho hábitos alimentares e de atividade física. Tudo que faço é voltado para trazer saúde para o meu corpo, para o meu organismo”, afirmou.

Pessoas que passaram por procedimentos, como a Kalley, ou cujos tratamentos provocaram disfunções orgânicas enfrentam desafios cotidianos. O diagnóstico e o tratamento para combater o câncer geram um estresse emocional muitas vezes transformador. No entanto, ela ressalta a importância de se manter confiante. “É possível ter vida durante o tratamento oncológico e vida após o tratamento oncológico. É isso que eu vivo, é isso que eu vivi durante o tratamento. Hoje eu sou muito mais feliz que antes”, contou.

Doença silenciosa

Um desconforto na mama, causado por um nódulo do tamanho de uma bolinha de gude, levou Sônia Matos a procurar um especialista, que solicitou exames de mamografia, ecografia mamária e a punção. Em 2016, aos 47 anos, recebeu o diagnóstico. “Passou um filme na cabeça. Pensei no filho, nos pais, no esposo. Pensei no que poderia acontecer dali para frente. Mas saí do consultório com o esposo, confiante e bem tranquila”, afirmou.

Sônia fez a cirurgia de retirada de nódulo; em seguida, a colocação da prótese. Não precisou fazer quimioterapia e nem radioterapia. Hoje usa medicamento oral, que deve finalizar após cinco anos. “Com apenas 30 dias, voltei à vida cotidiana. Ou seja, ao trabalho e aos estudos. Tenho uma vida normal. Tive apenas que mudar alguns hábitos alimentares, como retirada de açúcar, menos carne vermelha, mais frutas e verduras, além da inclusão da atividade física na rotina”, contou.

Tratamento oncológico

Em caso de mastectomia, desde 2013, o Sistema Único de Saúde (SUS) faz a cirurgia plástica reparadora da mama logo após a retirada do câncer. Se a reconstrução não puder acontecer imediatamente, a paciente deve ser encaminhada para acompanhamento clínico, conforme determina a Lei 12.802/2013.

Todos os tratamentos estão disponíveis na rede pública. Conforme o tipo do tumor, o tamanho e alguns detalhamentos que vêm na biópsia é que os médicos avaliam as modalidades para a paciente. “As situações são avaliadas caso a caso. Cada modalidade de tratamento depende de como a gente encontra a paciente no diagnóstico inicial”, ponderou a médica-cirurgiã oncológica Viviane Rezende de Oliveira, responsável pela parte da mastologia e câncer ginecológico no Instituto do Câncer de Brasília e no Hospital Universitário (HUB).

Fonte: Governo do Brasil FOTO Kalley teve o câncer aos 37 anos. Com o carinho da mãe e da família, segue vencendo todas as etapas – Foto: Alexandre Silva/PR