UFSM oferta 1.549 vagas no SISU 2022/2

As inscrições no Sistema de Seleção Unificada (SISU) SiSU 2022-2 estarão abertas de 28 de junho a 01 de julho de 2022, pelo site sisu.mec.gov.br. Já está aberto o sistema do Ministério da Educação (MEC) para pesquisa de cursos, cotas e vagas referentes ao SiSU 2022-2. O SiSU é o sistema informatizado do MEC, no qual instituições públicas de ensino superior … Leia Mais


Boletim epidemiológico: 24/06 com 7 casos Covid em Júlio de Castilhos

Boletim epidemiológico atualizado em 24 de junho de 2022, divulgado pelo setor de comunicação da prefeitura, mostra 07 casos confirmados de coronavírus, 31 casos ativos em Júlio de Castilhos, totalizando 4.824 casos confirmados em Júlio de Castilhos desde o inicio da pandemia. Com base em dados divulgados conta com 49 óbitos, 35 monitorados, 8.008 casos descartados e 4.744 recuperados. Júlio … Leia Mais



Sancionada lei que permite renegociação de dívidas do Fies

Foto: Banco de Imagens Foi sancionado na terça-feira (21/06), o Projeto de Lei de Conversão n° 12, de 2022 (Medida Provisória nº 1.090, de 2021), que altera as Leis nºs 10.260, de 12 de julho de 2001, 10.522, de 19 de julho de 2002, e 12.087, de 11 de novembro de 2009, para estabelecer os … Leia Mais



Boletim epidemiológico: 21/06 com 2 casos Covid. Confira o Vacinômetro


Boletim epidemiológico atualizado em 21 de junho de 2022, divulgado pelo setor de comunicação da prefeitura, mostra 02 casos confirmados de coronavírus, 23 casos ativos em Júlio de Castilhos, totalizando 4.810 casos confirmados em Júlio de Castilhos desde o inicio da pandemia.
Com base em dados divulgados conta com 49 óbitos, 29 monitorados, 7.916 casos descartados e 4.738 recuperados.

Júlio de Castilhos, no referido boletim na  Internações/confirmado no momento, em Leito Clínico suspeito 0 paciente e  0 pacientes em Leito UTI.

BOLETIM COVID-19

21/06/2022

4.810 confirmados
02 novos casos
49 óbitos
4.738 recuperados
29 monitorados
00 testados (T. Rápido) sendo 00 positivos
25 antígenos coletados sendo 02 positivos
23 casos ativos
00 PCR coletados

7.916 descartados

Internações/confirmado:
Leito clínico confirmado – 00 paciente
Leito clínico suspeito- 00 paciente
Leito UTI confirmado – 00 paciente

Obs: Foram contabilizados 0 resultados de testes reagentes realizados na rede privada

VACINÔMETRO COVID-19

20.06.22 

Doses recebidas: 49034;

Doses aplicadas:47742;

1ª dose:17351;

2ª dose: 16630;

3ª dose: 13234;

Dose única: 527;

92,99% da população recebeu pelo menos uma dose;

89,24% da população está com o esquema completo.

Fonte Assessoria imprensa PMJC

 


Inverno no Hemisfério Sul começa nesta terça dia 22 de junho de 2022 às 06h14


Com permanência do La Niña, inverno deve ter chuvas abaixo da média no Sul e no Sudeste

O inverno no Hemisfério Sul começa nesta terça-feira dia 22 de junho de 2022 às 06h14 e termina no dia 22 de setembro às 22h04 (Horário de Brasília). Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), neste ano, a ação do fenômeno La Niña deve persistir durante todo o inverno, com tendência de potencializar as chuvas nas regiões Norte e Nordeste e reduzir a possibilidade de chuvas mais intensas no Sul e no Sudeste. 

A estação é normalmente marcada pelo período menos chuvoso das regiões Sudeste, Centro-Oeste e parte das regiões Norte e Nordeste do Brasil, enquanto os maiores volumes de chuva concentram-se sobre o noroeste da Região Norte, leste do Nordeste e parte da Região Sul do Brasil. 

Além de uma menor incidência de radiação solar, a estação caracteriza-se também, pelas incursões de massas de ar frio, vindas do sul do continente, que provocam queda acentuada da temperatura do ar, resultando em valores médios inferiores a 22ºC sobre a parte leste das regiões Sul e Sudeste do Brasil. Esta diminuição de temperatura, pode ocasionar:

I) Formação de geadas nas regiões Sul, Sudeste e no estado do Mato Grosso do Sul;
II) Queda de neve nas áreas serranas e planaltos da Região Sul;
III) Episódios de friagem nos estados do Mato Grosso, Rondônia, Acre e no sul do Amazonas.

Durante a estação, em função das inversões térmicas no período da manhã, são comuns as formações de nevoeiros e/ou névoa úmida nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com redução de visibilidade, impactando especialmente em estradas e aeroportos.

Com a redução das chuvas em grande parte do país nesta época do ano, tem-se a diminuição da umidade relativa do ar, que consequentemente, favorece o aumento da incidência de queimadas e incêndios florestais, bem como aumento de doenças respiratórias.

Veja o Prognóstico Climático de Inverno completo AQUI.

]

Como será o inverno em 2022 no Brasil:

Região Norte

Para a Região Norte, a previsão climática do Inmet indica maior probabilidade que as chuvas ocorram acima da média climatológica, principalmente sobre a faixa norte da região. Em áreas do sul do Pará e do Tocantins, existe uma tendência de chuvas próximas e abaixo da média.

A temperatura do ar nos próximos meses deverá permanecer acima da média em grande parte da região. Ressalta-se que, as condições de falta de chuvas no sul da Amazônia, muito comuns nos meses de julho a setembro, aliadas a alta temperatura e baixa umidade relativa do ar, favorecem a incidência de queimadas e incêndios florestais. Por outro lado, isto não descarta a ocorrência de eventuais episódios de friagens nesta região, devido à passagem de massas de ar frio mais continentais.

Região Nordeste

A previsão do Inmet indica chuvas acima da média histórica para toda a faixa próxima ao litoral nordestino, em função dos impactos da La Niña e também do padrão de águas mais aquecidas próximo à costa. No oeste da Bahia e no sul do Piauí e do Maranhão, as chuvas poderão ser próximas da média, sendo que estas áreas já se encontram em seu período menos chuvoso.

Em relação a temperatura, a previsão indica que neste inverno haverá o predomínio de temperaturas próximas e acima da média em grande parte da região. 

Região Centro-Oeste

Na Região Centro-Oeste, o período seco já teve início e a tendência é de diminuição da umidade relativa do ar nos próximos meses, com valores diários que podem ficar abaixo de 30% e picos mínimos abaixo de 20%. Desta forma, a previsão para o inverno indica alta probabilidade de chuvas dentro e abaixo da faixa climatológica em grande parte da região, exceto em áreas pontuais no sudoeste do Mato Grosso do Sul e noroeste do Mato Grosso, onde as chuvas poderão ser ligeiramente acima da média.

As temperaturas deverão permanecer acima da média, devido a permanência de massas de ar seco e quente, principalmente nos meses de agosto e setembro, favorecendo a ocorrência de queimadas e incêndios florestais. Em algumas localidades do leste do Mato Grosso do Sul e sul do Mato Grosso, as temperaturas poderão ser ligeiramente abaixo de seus valores climatológicos, devido à passagem de algumas massas de ar frio mais continentais.

Região Sudeste

Assim como na Região Centro-Oeste, os meses de julho e agosto correspondem ao período seco da Região Sudeste, especialmente no norte de Minas Gerais. Deste modo, a previsão do Inmet para o inverno na Região Sudeste indica que as chuvas devem permanecer próximas ou ligeiramente abaixo da média, porém não se descarta a ocorrência de chuvas próximas ao litoral da Região Sudeste, devido a passagem de frentes frias.

No caso das temperaturas, elas devem permanecer acima da média em grande parte da região, porém não se descarta a possibilidade de queda na temperatura média do ar devido à entrada de massas de ar frio, podendo ocorrer formação de geadas em regiões de altitude elevada.

Região Sul

O prognóstico do Inmet para os meses de inverno, indica o predomínio de chuvas abaixo da média em grande parte da Região Sul, em decorrência dos impactos do fenômeno La Niña. Porém, em áreas do oeste dos três estados, assim como no extremo sul do Rio Grande do Sul, as chuvas poderão ocorrer próximas a ligeiramente acima da climatologia.

Temperaturas próximas e abaixo da média são previstas para grande parte da Região Sul, pois a incursão de massas de ar de origem polar, principalmente nos meses de julho e agosto, poderão provocar declínio nas temperaturas possibilitando a ocorrência de geadas em algumas localidades, especialmente aquelas de maior altitude. As temperaturas médias acima da climatologia do trimestre estão previstas para o norte do Paraná.

Informações à Imprensa e foto por:
Assessoria de Comunicação Social do Inmet

Portal Brasil

 


IBGE vai às ruas pesquisar características do espaço público nas cidades


 Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

O IBGE inicia hoje (20) a Pesquisa Urbanística do Entorno dos Domicílios. Até o dia 12 de julho, mais de 22 mil agentes censitários percorrerão 326.643 setores urbanos, em todas as unidades da federação, observando temas relacionados à infraestrutura urbana do país.

“A Pesquisa do Entorno é o marco oficial do início da operação do Censo Demográfico 2022, que entra em campo em 1º de agosto. Ainda não é o recenseador passando de porta em porta, realizando as entrevistas, mas é a primeira operação pública de coleta de informações do Censo”, explica Cláudio Stenner, diretor de Geociências do IBGE. Ele ressalta que nesta etapa não há nenhum tipo de entrevista: a pesquisa é feita somente pela observação dos quesitos nas áreas públicas dos setores censitários.

Serão investigados dez quesitos, sendo três deles novos: capacidade da via, pavimentação da via, bueiro/boca de lobo, iluminação pública, ponto de ônibus/van, via sinalizada para bicicletas, existência de calçada, presença de obstáculo na calçada, rampa para cadeirante e arborização.

“Os novos quesitos da pesquisa em relação àquela feita no Censo 2010 são ponto de ônibus/van e via sinalizada para bicicletas, que estão relacionados à questão da mobilidade urbana, e presença de obstáculo na calçada, que está relacionada à acessibilidade”, indica Filipe Borsani, supervisor técnico da pesquisa. “Além disso, houve a ampliação do quesito capacidade da via, que antes era perguntado apenas no Levantamento de Informações Territoriais (LIT)”, complementa.

A pesquisa está alinhada com o monitoramento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 11: Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. “A finalidade é fornecer um panorama da infraestrutura urbana do país, considerando temas como acessibilidade, circulação, equipamentos públicos e meio ambiente. Ela é muito importante para a formulação de políticas públicas em áreas urbanas para melhoria da qualidade de vida da população”, destaca o supervisor.

Stenner complementa que o Censo trabalha em uma série de escalas: primeiro, caracteriza-se o entorno onde o domicílio está localizado, depois, o recenseador coleta informações do próprio domicílio e das pessoas que vivem nos domicílios.  “Tudo isso articulado e integrado na pesquisa do Censo. Isso é fruto de o IBGE ter a geografia e a estatística no mesmo instituto, possibilitando esse tipo de abordagem”, afirma.

Segunda edição da pesquisa trará resultados mais detalhados

Esta é a segunda vez que o IBGE realiza o levantamento. A primeira, em 2010, compreendeu 222.541 setores urbanos, com resultados por setor censitário. No Censo 2022, além de dar continuidade à série iniciada em 2010, permitindo a comparação das informações, a intenção é publicar resultados experimentais em níveis mais detalhados, como, por exemplo, por faces de quadras. “Isso foi feito no Censo Experimental de Poços de Caldas em 2019 e queremos repetir, pelo menos, para os grandes centros urbanos”, conta Borsani.

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

No Censo Experimental de Poços de Caldas 2019, Pesquisa do Entorno teve resultados em níveis mais detalhados. IBGE quer repetir o modelo para o Censo Demográfico 2022

Pela primeira vez, IBGE pesquisará entorno em todos os aglomerados subnormais

Outra novidade é que, para 2022, a Pesquisa do Entorno será feita em todos os aglomerados subnormais localizados nas áreas urbanas. No Brasil, os aglomerados subnormais são conhecidos por diversos nomes como favelas, invasões, grotas, baixadas, comunidades, vilas, ressacas, loteamentos irregulares, mocambos e palafitas, entre outros.

“Em 2010, entraram apenas os aglomerados que possuíam arruamento regular. Agora, vamos utilizar uma nova metodologia para fazer a identificação do percurso em áreas labirínticas e sem sinal de GPS”, explica o supervisor técnico da pesquisa.

Etapa garante a melhor cobertura na hora da coleta

Além da pesquisa do entorno, o agente realiza o reconhecimento do setor censitário, percorrendo a área e avaliando a necessidade de fazer atualizações no mapa a partir da identificação de novas avenidas e ruas. “Essa etapa é muito importante para garantir a cobertura da coleta, ou seja, garantir que todos os domicílios serão visitados pelo recenseador”, destaca Maikon Novaes, gerente de Regionalização e Classificações Territoriais.

A pesquisa é feita em toda a área urbana pública do país. “Para as áreas rurais, a atualização dos mapas é realizada durante a coleta do Censo, através da supervisão no SIGC (programa de acompanhamento) e do monitoramento geoespacial da coleta”, explica o gerente.

Em tempo recorde, o IBGE passará por mais de 10 milhões de faces de quadras, ou seja, os lados das calçadas que compõem as ruas. Isso representa 72% do total de setores do Censo. Novaes explica que nesse percurso, o agente censitário – que será o responsável por supervisionar o trabalho do recenseador – verifica o atual mapa, busca por novos logradouros ou novos edifícios e avalia situações que podem facilitar a coleta do recenseador, como a melhor forma de acesso àquele setor e o transporte público que ele tem que pegar, por exemplo.

“Vamos visitar áreas remotas, áreas de municípios pequenos, não importa: todos os municípios do país serão contemplados”, garante Novaes.

Fonte Agência IBGE Noticias


Ministério da Saúde alerta para acidentes que causam queimaduras em festas juninas


As  tradicionais comemorações do meio do ano, como festas juninas, geralmente são marcadas por danças e comidas típicas, mas o Ministério da Saúde alerta para os ambientes que podem ser propícios a queimaduras por líquidos quentes, chamas de fogueira e fogos de artifício. Entre janeiro e abril deste ano, já foram registrados 3.540 procedimentos hospitalares e 32.631 procedimentos ambulatoriais em decorrência de queimaduras no Brasil. Nessa época de junho, é comum haver aumento de casos.

A queimadura é uma lesão na pele ou outro tecido orgânico, causada principalmente pelo calor ou pela radiação, radioatividade, eletricidade, fricção ou contato com produtos químicos. As queimaduras térmicas – por calor – ocorrem por meio de líquidos quentes (escaldaduras), objetos sólidos quentes (queimaduras de contato) ou chamas (queimaduras de chamas). A maior prevalência é atribuída a queimaduras de segundo grau, com destaque para as lesões dos membros superiores, ou seja, mãos, braços, tronco e cabeça.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 180 mil pessoas morrem por ano devido a queimadura, considerada a quinta causa mais comum de lesões não fatais na infância. As queimaduras não fatais podem causar morbidade, hospitalização prolongada, desfiguração e incapacidade, muitas vezes resultando em cicatrizes e rejeição.

Assistência pelo SUS

O Sistema Único de Saúde oferece tratamento integral e gratuito para queimados em todo o Brasil. São 48 estabelecimentos habilitados como Centros de Referência na Assistência a Queimados, além da oferta de procedimentos, medicamentos, órteses, próteses, materiais especiais e exames necessários para atender às vítimas.

Primeiros socorros

De imediato, o paciente deve colocar a parte queimada debaixo da água corrente fria, com jato suave, por aproximadamente dez minutos. Compressas úmidas e frias também são indicadas. Se houver poeira ou insetos no local, mantenha a queimadura coberta com pano limpo e úmido. No caso de queimaduras em grandes extensões do corpo, por substâncias químicas ou eletricidade, a vítima necessita de cuidados médicos urgentes.

Recomendações importantes

– nunca toque a queimadura com as mãos;
– nunca fure bolhas;
– nunca tente descolar tecidos grudados na pele queimada;
– nunca retire corpos estranhos ou graxa do local queimado;
– nunca coloque manteiga, pó de café, creme dental ou qualquer outra substância sobre a queimadura; somente o profissional de saúde sabe o que deve ser aplicado sobre o local afetado.

Prevenção

Atenção ao manipular bebidas e alimentos com altas temperaturas. Evite brincadeiras perto de fogueiras para prevenir queimaduras por chamas e problemas nas vias aéreas, pela inalação de fumaça. Cuidado com produtos inflamáveis, a exemplo do álcool 70% (na forma líquida ou em gel), não o manipulando próximo ao fogo; mantenha longe do alcance das crianças. Além disso:

– evite fumar dentro de casa, principalmente deitado;
– no caso de queimaduras elétricas, retire o fio da tomada ou desligue a energia geral;
– investigue com frequência vazamentos de gás;
– mantenha as crianças longe da cozinha durante o preparo dos alimentos e sempre direcione o cabo das panelas para a área do fogão;
– mantenha cabos e alças de panelas de cozinha em bom estado;
– teste a água do banho com o dorso da mão antes de molhar a criança;
– mantenha produtos de limpeza fora do alcance das crianças;
– use protetor nas tomadas elétricas da casa;
– ao acender fósforos, mantenha o palito longe do rosto, para não atingir cabelo ou sobrancelha;
– ao acender velas, observe se está longe de produtos inflamáveis, botijões de gás, solventes ou tecidos.

Fonte: Gustavo Frasão
Ministério da Saúde


IBGE abre processo seletivo complementar para 913 vagas de agente censitário


– Foto: Acervo IBGE

O IBGE divulgou na quarta-feira (15) mais um processo seletivo simplificado complementar (PSS) para a contratação temporária de profissionais que trabalharão no Censo 2022. São 285 vagas para Agente Censitário Municipal (ACM) e 628 vagas para Agente Censitário Supervisor (ACS), distribuídas em 679 municípios, em 10 estados. As inscrições começam nesta quinta-feira (16) e se encerram no domingo (19).

As inscrições para o processo devem ser realizadas de forma online, preenchendo o formulário de inscrição no Portal do IBGE, e não há cobrança de taxa. Com exigência de ensino médio completo, a remuneração mensal oferecida é de R$2.100,00 para o ACM e de R$ 1.700 para o ACS, mais auxílio-alimentação e auxílio-transporte.

Minas Gerais é o estado com o maior número de vagas, com 175 oportunidades em 141 municípios. Já a região Sul concentra o maior número: em Santa Catarina, são 162 vagas em 108 municípios, no Rio Grande do Sul, há 142 para 127 municípios, e no Paraná, o total é de 133 vagas em 127 municípios.

O ACM gerencia o trabalho do posto de coleta, enquanto o ACS, subordinado ao ACM, tem como principal função orientar os recenseadores durante a execução dos trabalhos de campo.

A previsão de duração do contrato é de até cinco meses, podendo ser prorrogado. A jornada de trabalho será 40 horas semanais, sendo 8 horas diárias. Dentre o total de 913 vagas ofertadas no processo, 85 são para Pessoas Pretas ou Pardas (PPP) e 15 para Pessoas com Deficiência (PcD).

Como se inscrever

Para concorrer, o candidato deve preencher, pela internet, o formulário de inscrição. A apresentação da documentação original ou cópia autenticada (identidade e titulação acadêmica) deve ser feita apenas no momento da contratação. A análise dos títulos será classificatória.

Processo complementar

A abertura do PSS complementar para ACM e ACS é uma forma de continuar a seleção iniciada por meio do edital nº 09/2021, visando suprir as vagas das localidades que tiveram a listagem de candidatos aprovados esgotadas e que tenham vagas disponíveis e dos locais com baixo número de aprovados. As contratações serão efetuadas nos termos da Lei 8.745, que permite a admissão de pessoal por tempo determinado a fim de atender a necessidade temporária de excepcional interesse público.

Para Júlio de Castilhos, IBGE divulga conforme edital 2 vagas: 1 vaga N.º de ACS e 1Vaga Vaga de Ampla Concorrência

 

 

Fonte Agência IBGE Noticias

Edição Alcir61