Campanha “Todos por Todas” debate a violência contra a mulher com ações de conscientização em Júlio de Castilhos


Nessa quarta-feira(24), no Centro Cultural Álvaro Pinto – CCAP e na Rua coberta, o combate a violência contra a mulher foi discutido com adolescentes da rede municipal de ensino e também com a comunidade castilhense. Foram as ações da campanha “Todos por Todas”, que objetiva a igualdade de gênero, igualdade de direitos entre homens e mulheres, pelo fim da violência contra as mulheres, entre outras pautas, com debate transmitido pela página do Facebook da Prefeitura e intervenção com flyers informativos e adesivação de carros.

A campanha iniciou pela manhã, no CCAP, com a apresentação “Feminicídio”, da Cia de Dança Lia Mello. Em seguida, iniciaram os debates, com Lucas Motta Brum, mestre em Psicologia, músico e estudioso, co-criador do Coletivo ConversAE, que estuda as masculinidades desde 2015 e Ênio Grigio, graduado em Filosofia e História, Especializado em História do Brasil, com Mestrado em Integração Latino-Americana,  Doutorado em História e Professor do IFFAR e mediado por Alice de Souza Ribeiro, Técnica Administrativa em Educação e Presidente do Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual do IFFAR-JC.

Ênio fez um aparato histórico, desde a pré-história, para explicar a dominação masculina sobre as mulheres, problema que, segundo o historiador, segue na sociedade contemporânea.

“Nós precisamos de uma série de mudanças para ter uma sociedade mais igualitária e mais justa, num sentido de que ninguém sofra nenhum tipo de preconceito”, declarou Ênio.

Completando a fala do historiador, o psicólogo Lucas Brum fez uma abordagem mais pessoal, falando um pouco da sua infância em Porto Alegre, até sua trajetória para se tornar psicólogo e um homem emocionalmente estável.

“Eu acredito que a frase ‘homem não chora’ é a mais danosa para a construção emocional masculina. A masculinidade hegemônica, que conhecemos historicamente, ela coloca ‘lá em cima’ o homem frio, que não se conecta com suas emoções.”, completou Lucas.

Você pode conferir o debate completo clicando aqui.

No turno da tarde, na Rua Coberta, o membros da Comissão da Campanha fez uma intervenção, com entrega de flyers informativos aos pedestres e motoristas que passavam no local, além de adesivação de carros com o símbolo da campanha. A Presidente da Comissão, Primeira-Dama Marciane Ceolin Dalla Corte, explicou que o objetivo da campanha é combater o machismo e conscientizar as novas gerações.

“O debate Todos por Todas buscou conscientizar as novas gerações para que homens de mulheres possam promover a masculinidade saudável na sociedade e combater o machismo, que de certa forma acaba dando suporte para as formas de violência contra a mulher. Para dar continuidade, a intenção é fazer com que o assunto esteja presente nas salas de aula do município, por meio de projetos educacionais com o apoio das secretarias de Saúde, Assistência Social, Educação e parceiros como IFFAR.”.

Igualdade não é voluntária, é obrigatória, necessária, exigida e urgente.
Disque direitos humanos: 100
Disque mulher: 180

O evento é alusivo as datas 25 de novembro (Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher) e 06 de dezembro (Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo fim da Violência contra as Mulheres) e tem como inspiração a Campanha da Organização das Nações Unidas (ONU) #HeForShe. Ainda é uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Júlio de Castilhos, Secretaria de Assistência Social e Habitação, Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS, Centro de Referência de Assistência Social – CRAS, Secretaria de Educação, Secretaria de Saúde, Gabinete da Primeira-Dama, Conselho Municipal  dos Direitos da Mulher – COMDIM e do Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual – NUGEDIS, do Instituto Federal Farroupilha – Campus Júlio de Castilhos.